DO REVISITAR AO RECRIAR A HISTÓRIA NACIONAL: UMA POSSÍVEL LEITURA DE A SEGUNDA PÁTRIA, DE MIGUEL SANCHES NETO

  • Thiana Nunes Cella Instituto Federal do Paraná (IFPF); Univesidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioste)

Resumo

O presente texto configura-se como uma análise do romance A Segunda Pátria (2015), do escritor e ensaísta paranaense Miguel Saches Neto. Por uma perspectiva comparatista, examina as relações entre o discurso histórico e o discurso literário, bem como as diferentes tipologias críticas de narrativas híbridas de história e ficção, e aproxima a referida obra literária ao denominado romance histórico contemporâneo de mediação, concebido por Fleck (2017). Atém-se, portanto, aos aspectos basilares dessa narrativa romanesca: a releitura crítica e verossímil do passado, realizada por meio de um foco narrativo ex-cêntrico, que permite a apresentação de perspectivas antes marginalizadas, relegadas ao esquecimento. Dessa forma, mostra como a produção literária contemporânea se articula intimamente ao discurso histórico, problematiza sua representação e questiona as verdades da história hegemônica.


 

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutoranda em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioste). Mestra em Letras pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade do Cento-Oeste do Paraná (Unicentro). Docente do Instituto Federal do Paraná (IFPF), Campus Coronel Vivida.

   
Publicado
2018-08-21
Como Citar
CELLA, Thiana Nunes. DO REVISITAR AO RECRIAR A HISTÓRIA NACIONAL: UMA POSSÍVEL LEITURA DE A SEGUNDA PÁTRIA, DE MIGUEL SANCHES NETO. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 10, n. 1, ago. 2018. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/3849>. Acesso em: 23 set. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v10i1.3849.