REPRESENTAÇÃO E PROTAGONISMO: A FIGURA MATERNA NOS CONTOS “A PRINCESA QUE ESCOLHIA” E “UMA, DUAS, TRÊS PRINCESAS”, DE ANA MARIA MACHADO

  • Roseli Meira Gomes Rocha Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)
  • Adriana Maria de Abreu Barbosa Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)

Resumo

O presente estudo propõe uma análise comparativa da representação da figura da mãe nos contos de fadas clássicos, revisitada pela literatura contemporânea de Ana Maria Machado ao escrever os contos “A princesa que escolhia” e “Uma, duas, três princesas”. A autora nos traz a possibilidade de repensar a representação materna a partir desses contos contemporâneos, abarcando vozes femininas que transgridem ou reafirmam o pensamento patriarcal e revendo paradigmas socioculturais estabelecidos. Tal investigação fundamenta-se em estudos alusivos à literatura, história, sociologia e psicologia, possibilitando, assim, maior compreensão dos problemas apresentados, auxiliado por estudiosos como Bruno Bettelheim (1980), Robert Darton (1986), Simone Beauvoir (2009), Maria Cristina Martins (2015), Rosiska Darcy Oliveira (1993), Teresa de Lauretis (1994), Luzia Margareth Rago (2013) e Rita Therezinha Schmidt (1999).

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda em andamento em Letras: Cultura, Educação e Linguagens pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb).

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Semiologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Realizou estágio de Pós-doutoramento no Programa de Pós-graduação em Letras da UFPE. Professora Titular da Cadeira de Teoria da Literatura no Departamento de Ciências Humanas e Letras da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb). Professora do Programa de Pós-graduação em Letras: cultura , educação e linguagem da Uesb.

 

Referências

1. ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Para educar crianças feministas: um manifesto. Tradução: Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.
2. BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Tradução: Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.
3. BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.
4. BERGAMI, Lucinei Maria. “A princesa que escolhia” de Ana Maria Machado: uma perspectiva contemporânea para os contos de fada tradicionais. Revista Littera Online. UFMA: n7, pp 115, 2014.
5. BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Tradução de Arlene Caetano. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.
6. CARRIJO, Silvana Augusta Barbosa; MARTINS ,Fabrícia dos Santos Silva.”Uma, duas, três princesas” (2013): Umas e Outras Vozes Femininas em Ana Maria. Revista Todas as Musas. n1 Jul-Dez 2014. p. 171-183
7. CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Tradução: Maria Manuela Galhardo. 2ªed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.
8. CHARTIER, Roger (Org.). Práticas de leitura. Tradução de Cristiane Nascimento. São Paulo: Liberdade, 1996.
9. COELHO, N. N. A literatura feminina no Brasil contemporâneo. São Paulo: Siciliano, 1993.
10. CORSO, Diana Lichtenstein; CORSO, Mário. Fadas no divã: psicanálise nas histórias infantis. Porto Alegre: Artmed, 2006.
11. DARNTON, Robert. O Grande Massacre de Gatos e outros episódios da história cultural francesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2001.
12. KEHL, M. R. A mínima diferença: masculino e feminino na cultura. Rio de Janeiro: Imago, 1996.
13. KHÉDE, Sônia Salomão. Personagens da Literatura Infantojuvenil. São Paulo: Ática, 1990.
14. LAURETIS, Tereza de. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, H. B. de. Tendências e impasses. O feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.
15. MACHADO, Ana Maria. “A princesa que escolhia”. Ilustrações de Graça Lima. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.
16. MACHADO, Ana Maria. “Uma, duas, três princesas”. Ilustrações Luani Guarniere. São Paulo: Ática, 2013.
17. MARTINS, Maria Cristina. (Re)escrituras: gêneros e o revisionismo contemporâneo dos contos de fadas. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.
18. MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Orgs.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. v. 2. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2004.
19. ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 7 ed. Campinas: Pontes, 2007.
20. PASSOS, Joana Filipa da Silva de Melo Vilela. Angela Carter e a reescrita de mitos e contos de fadas. 1996. 137 f. Dissertação (Mestrado em Língua e Literaturas Inglesas). Universidade do Minho, Braga, 1996.
21. RAGO, Luzia Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.
22. OLIVEIRA, Rosiska Darcy de. Diferença na igualdade Elogio da diferença: o feminino emergente. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.
23. SCHMIDT, Rita Terezinha. Recortes de uma história: a construção de um fazer/saber. In: RAMALHO, Cristina (Org.). Literatura e feminismo: propostas teóricas e reflexões críticas. Rio de Janeiro: Elo, 1999.
24. ZIPES, Jack. Fairy tale as Muyth/Myth as Fary Tale. Lexington: University Press of Kentucky, 1994.
25. ZOLIN, Lúcia Osana. A literatura de autoria feminina brasileira no contexto da pós-modernidade. Revista Ipotesi, Juiz de Fora, v. 13, n. 2, p. 105 - 116, jul./dez. 2009.
Publicado
2020-07-02
Como Citar
ROCHA, Roseli Meira Gomes; BARBOSA, Adriana Maria de Abreu. REPRESENTAÇÃO E PROTAGONISMO: A FIGURA MATERNA NOS CONTOS “A PRINCESA QUE ESCOLHIA” E “UMA, DUAS, TRÊS PRINCESAS”, DE ANA MARIA MACHADO. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 12, n. 1, jul. 2020. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/6305>. Acesso em: 04 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6305.