TEATRO EN TRANSICIÓN. DRAMATURGIA, POLÍTICA Y RELACIONES SOCIALES EN SANTA FE (ARGENTINA), ENTRE LA ÚLTIMA DICTADURA Y LA TRANSICIÓN DEMOCRÁTICA

  • Luciano Alonso

Resumo

No estudo dos fenômenos artísticos e literários durante a última ditadura cívico-militar argentina (1976 -1983), tem passado pelo predomínio de uma interpretação baseada na noção de “apagão cultural” provocado pela repressão e censura, prevalendo, a consideração de uma certa “resistência cultural”. Por outro lado, a historiografia sobre as atitudes sociais frente às ditaduras tem mostrado a existência de amplas “zonas cinzentas” e a inextricável combinação de consentimentos e dissidências. Este texto enfoca o desenvolvimento do “teatro independente” santafesino, a partir do momento central da ditadura até a transição democrática. Apresentando uma caracterização geral do espaço teatral e a postulação de uma “comunidade” formada em torno de certas relações sociais, o texto enfoca alguns episódios que permitem uma análise mais densa. Demonstra a coexistência de atitudes de integração no quadro institucional ditatorial com outras de resistência micropolítica e de expressão de uma subjetividade dissidente. Finalmente, postula que a transformação dessas relações em termos de transição política, era da mão de uma transição geracional e estética na construção de uma nova dramaturgia.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-12-20
Como Citar
ALONSO, Luciano. TEATRO EN TRANSICIÓN. DRAMATURGIA, POLÍTICA Y RELACIONES SOCIALES EN SANTA FE (ARGENTINA), ENTRE LA ÚLTIMA DICTADURA Y LA TRANSICIÓN DEMOCRÁTICA. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo entre as ciências, [S.l.], v. 6, n. 2, p. 116-147, dez. 2017. ISSN 2316-1205. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/rbba/article/view/3666>. Acesso em: 20 out. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/rbba.v6i2.3666.
Seção
Dossiê Temático