VIOLÊNCIA E HOMOSSEXUALIDADE NA AUTOFICÇÃO CONTEMPORÂNEA: A RECEPÇÃO DO CASO EDOUARD LOUIS

Autores

  • Willian Vieira

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v9i1.3250

Resumo

Propõe-se pensar a autoficção a partir da recepção de Histoire de la violence, romance em que o escritor Edouard Louis relata um estupro sofrido por ele. Após a publicação, o autor foi processado por atentado à vida privada pelo próprio estuprador. Ao expor seu trauma de forma literária, mas mantendo-se fiel à história (incluindo os nomes reais), Louis não só causou a fúria de uma pessoa real, algo típico da autoficção na França, como trouxe à tona a violência silenciosa sofrida por homossexuais, inclusive quando decidem denunciá-la. E o fez em um livro carregado de análise sociológica, como já fizera em En finir avec Eddy Bellegueulle. Ambos nada lembram certa queer literature de cunho “maldito”, de Genet a Dustan. Em Louis, a provocação não está no estilo, mas na suposta veracidade do relato. A partir da recepção, sobretudo na imprensa, tenta-se delinear a maneira como a violência contra o homossexual (estética e eticamente) é recebida quando denunciada sob a égide da autoficção.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Willian Vieira

Doutorando em Estudos Linguísticos, Literários e Tradutológicos em Francês da Universidade de São Paulo (Usp).

 
 

Downloads

Publicado

2018-03-27

Edição

Seção

VERTENTES & INTERFACES I: Estudos Literários e Comparados