IDENTIDADES E A DIDATIZAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Autores

  • Ieda Lourdes Gomes de Assumpção Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
  • Maicon Farias Vieira Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
  • Leticia Fonseca Richthofen de Freitas Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6574

Resumo

Este trabalho tem como objetivo investigar como licenciandos de um curso de letras entendem a didática e a didatização como prática pedagógica na perspectiva decolonial. Pretende investigar, também, como a didática pode fomentar uma prática educativa de vanguarda a partir da análise de narrativas sobre como alunos de uma universidade privada lidam com tais conceitos, passam a operar com eles e constroem suas identidades docentes a partir da(s) linguagem(ns). Para tanto, nos embasamos no campo da Linguística Aplicada Indisciplinar, em sintonia com os estudos culturais, tendo como argumento a relação entre a linguagem e a produção de identidades, considerando a função que as narrativas desempenham no processo de construção identitária, no sentido de propor uma organização dos discursos nos espaços sociais. Sendo assim, a metodologia que se propõe está pautada na análise das narrativas dos licenciandos no processo de construção de conhecimentos a partir da utilização da didática. O resultado desta investigação quanto à formação de professores aponta indícios para refletir sobre a perspectiva da decolonialidade e sobre as identidades docentes como reflexo das performances narrativas da formação, das propostas e das estratégias formativas vivenciadas por meio das mediações didáticas promovidas ao longo do curso de formação dos sujeitos de pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ieda Lourdes Gomes de Assumpção, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Docente do Instituto Superior de Formação Humanística da Universidade Católica de Pelotas. Mestre em Saúde e Comportamento. Doutoranda em Letras pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Integrante do GPLANN - Grupo Pesquisa em Linguística Aplicada e Análise de Narrativas- PPGL - UFPel.  Responsável pelo Núcleo de Estudos Pedagógicos do Curso de Pedagogia da UCPel. Interesses: Didática e decolonialidade; Formação de Professores; Pedagogia Universitária e Educação Inclusiva.

Maicon Farias Vieira, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Mestre em Educação pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (Ifsul) - Campus Pelotas. Doutorando em Letras pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Leticia Fonseca Richthofen de Freitas, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS). Realizou estágio de Pós-Doutorado em Educação na UFRS e em Linguística Aplicada na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora associada do Centro de Letras e Comunicação e do programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Pesquisadora do Núcleo de Estudos Sobre Currículo Cultura e Sociedade do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS.

Referências

1. ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: Dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.
2. BAPTISTA, Lívia Márcia Tiba Rádis. (De)Colonialidade da linguagem, lócus enunciativo e constituição identitária em Gloria Anzaldúa: uma “new mestiza”. Polifonia, Cuiabá: PPGEL/UFMT, v. 26, n. 44, p. 123-145, out./dez. 2019.
3. BASTOS, Liliana Cabral; SANTOS, William Soares. A entrevista na pesquisa qualitativa: perspectiva em análise da narrativa e da interação. Rio de Janeiro: FAPERJ, 2013.
4. CANDAU, Vera Maria. A didática e a formação de educadores – Da exaltação à negação: a busca da relevância. In: _________(Org.). A didática em questão. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 13-24.
5. FABRICIO, Branca Falabella. Linguística aplicada como espaço de “desaprendizagem”: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo da (Org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2006. p. 45-65.
6. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.
7. MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Contemporaneidade e construção de conhecimento na área de estudos linguísticos. SCRIPTA, Belo Horizonte: PPGL/PUC Minas, v. 7, n. 14, p. 159-171, 1º sem. 2004.
8. MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Linguística aplicada e vida contemporânea: Problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: _________ (Org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2006. p. 85-107.
9. MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Práticas narrativas como espaço de construção das identidades sociais: uma abordagem socioconstrucionista. In: RIBEIRO, Branca Telles; LIMA, Cristina Costa; DANTAS, Maria Tereza Lopes(orgs.). Narrativa, Identidade e Clínica. 1. ed. Rio de Janeiro: Edições IPUB/CUCA, 2001. p. 55-71.
10. NÓVOA, António (org.). Vidas de Professores. Porto: Porto Editora, 1995.
11. OLIVEIRA, Luiz Fernandes. O que é uma educação decolonial? Nuevamérica – La revista de la patria grande, Buenos Aires, v. 149, p. 35-39, jan./mar. 2016.
12. OLIVEIRA, Luiz Fernandes; CANDAU, Vera Maria Ferrão. Pedagogia Decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte: Fae/UFMG, v. 26, n. 1, p. 15-40, abr. 2010.
13. PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira. Manual de pesquisa em estudos linguísticos. São Paulo: Parábola, 2019.
14. PENNYCOOK, Alastair. Uma linguística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo da (Org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2006. p. 67-84.
15. RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.
16. VEIGA NETO, Alfredo. A Didática e as experiências de sala de aula: uma visão pós-estruturalista. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre: FaE/UFRGS, v. 21, n. 2, p. 161-175, jul./dez. 1996
17. WALSH, Catherine. Pedagogía decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re) existir y (re) vivir. Tomo I. Quito : Ediciones Abya-Yala, 2013.
18. WALSH, Catherine. Interculturalidad crítica y educación intercultural. In: Viaña, Jorge Uzieda; Tapia Luis Mealla & ________ (Eds.). Construyendo Interculturalidad Crítica . 1. ed. Bolivia: Instituto Internacional de Integración del Convenio Andrés Bello, 2009. p. 75-96.

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

[1]
Assumpção, I.L.G. de, Vieira, M.F. e Freitas, L.F.R. de 2020. IDENTIDADES E A DIDATIZAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES. fólio - Revista de Letras. 12, 1 (jul. 2020). DOI:https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6574.