DEFICIÊNCIAS SENSORIAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rbba.v9i1.6950

Palavras-chave:

Educação de jovens e adultos, Inclusão, Deficiências sensoriais

Resumo

O presente artigo é resultado de estudo que buscou verificar as possibilidades metodológicas de inclusão de jovens e adultos (EJA) com deficiência sensorial (mudez, surdez, baixa visão, cegueira) no processo de ensino-aprendizagem. Para embasar nossa investigação sobre este processo de inclusão no âmbito da educação de jovens e adultos (EJA), utilizamos: Mantoan (2003), Sassaki (1998), Haddad e Di Piero (2000), Soares (2007), Paulo Freire (1997), e Marcory e Tureck (2014), que nos ajudaram a compreender suas inquietações, comportamentos e posicionamentos, mas também discutir sob a visão da escola regular as dificuldades em obter recursos e desenvolver métodos para sua inclusão. Na contemporaneidade, a educação de jovens e adultos enfrenta dificuldades, uma delas é a sua ausência na Base Nacional Curricular Comum (BNCC), reverberando na dificuldade de elaboração e implementação de políticas públicas, e para obtenção de recursos (livros didáticos, materiais didáticos e formação continuada dos professores), repercutindo, principalmente, na inclusão de sujeitos com deficiências Como resultado desta pesquisa apontamos que a prática pedagógica inclusiva na educação de jovens e adultos apresenta-se incipiente, pois a formação docente voltada para esta modalidade de ensino não é considerada pelos professores suficiente, assim como os recursos, que eles consideram muito inferior ao mínimo necessário para realização de um processo pedagógico efetivamente inclusivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natalia Nolasco Neri Silva, Universidade Católica do Salvador - Brasil

Graduada em Pedagogia pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Bahia, graduanda no curso de licenciatura em História pela Universidade Católica do Salvador e Pós-graduanda em Neuropsicologia pela Faculdade Olga Metting.
 

Referências

ARROYO, Miguel González. Educação de jovens-adultos: um campo de direitos e de responsabilidade pública. In: SOARES, Leôncio; GIOVANETTI, Maria Amélia G. C.; GOMES, Nilma Lino (Orgs.). Diálogos na educação de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. p. 19-50.
BERAS, Julia Jost; FILHO, César Augusto Robaina. Educação especial no contexto da educação de jovens e adultos (EJA): relato de experiência. Paraná, EDUCERE, 2015. Disponível em: https://educere.pucpr.br/p271/anais.html Acessado em 18 de novembro de 2019.
BRASIL. [Lei 12319/10]. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais –LIBRAS. Brasília, DF: Presidência da República [2010]. Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/1025011/lei-12319-10. Acessado em 31 deoutubro de 2019.
BRASIL. [Lei de Diretrizes e bases (1996)] Brasília: Presidência da República, [2019]. Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/109224/lei-de-diretrizes-e-bases-lei-9394-96. Acesso em 31 de outubro de 2019.
D'ÁVILA, Lana de Lima Teixeira. A inclusão do aluno com cegueira na EJA: metodologias adequadas ao aprendizado da leitura e escrita.2006. Monografia –curso de especialização em educação profissional técnica de nível médio na modalidade da educação de jovens e adultos. Fortaleza –Ceará 2007. Disponível em:http://portal.mec.gov.br/setc/arquivos/pdf3/tcc_ainclusao.pdf. Acessado em 31 de outubro de 2019.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25.ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996
______, Paulo. Pedagogia do oprimido.8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
GIL, Antônio Carlos, 1946-Como elaborar projetos de pesquisa.4. ed. -São Paulo: Atlas, 2002.
GONÇALVES, Josiane; GUIZOLFI, Thaís. A Inclusão do Aluno Surdo: um Estudo Sobre a Surdez na EJA. In: Revista virtual da cultura surda, Edição Nº 16, setembro de 2015, pps. 1-32. Disponível em: https://editora-arara-azul.com.br/site/admin/ckfinder/userfiles/files/3%C2%BA%20Artigo%20de%20GON%C3%87ALVES%20e%20GUIZOLFI%20%20para%20REVISTA%2016.pdf. Acesso em 31 de outubro de 2019.
HADDAD, Sérgio; DI PIERO, Maria Clara. Escolarização de jovens e adultos. In: Revista brasileira de educação. Mai/jun./jul./ago. 2000 Nº 140. p108-194. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a07Acessado em 31de outubro de 2019.
JACOMELI, Renan Bezerra. E-book. Disponível em: https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:T2k_fT07maoJ:https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/educacao/a-inclusao-alunos-com-necessidades-especiais-no-ensino-regular.htm+&cd=4&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em 04 de outubro de 2019.
LIMA, P.; BARRETO, E.; LIMA, R. Formação docente: uma reflexão necessária. In: Educere Et Educare Revista de Educação, vol. 2, nº 4 jul./dez., 2007. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/educereeteducare/article/view/1657/1344Acesso em 31 de outubro de 2019.
MANTOAN. Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Moderna, 2003. (Coleção cotidiano escolar).
MARCORI, Maria; TURECK, Lucia. Educação especial na contemporaneidade. In: Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor do PDE. In: Cadernos PDE. Versão online, Paraná, 2014 volume 1. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014_unioeste_edespecial_artigo_maria_de_fatima_medeiros_macori.pdf.Acesso em 31 de outubro de 2019.
RÊGO, José Carlos. Brincante: culturas infantis tecendo lugares de aprendizagem. 267 p. 2006. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006.
SANTOS, Claudia, Denise. Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular. [entrevista a Eliene Silva et al]. Rede Mobilizadores, p 1-5, junho de 2015.
SASSAKI, Romeu Kazumi. Terminologia sobre deficiência na era da inclusão. Mídia e deficiência. Brasília: Andi/Fundação Banco do Brasil, p. 160-165, 2003.
SILVA, Fabrícia Gomes da et al. Um estudo sobre a defectologia na perspectiva vygotskiana: a aprendizagem do deficiente intelectual em reflexão. Paraná, EDUCERE, 2013. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/ANAIS2013/pdf/9698_6556.pdf. Acesso em 18 de novembro de 2019.
SILVA, Analise. Inclusão escolar na Educação de Jovens e Adultos. Minas Gerais, 2015.
Ciclo de debates, oficinas e mostra de trabalhos sobre educação inclusiva e necessidades educacionais especiais ministrada por professores, alunos e grupos de pesquisas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em 10 de setembro de 2015.
SOARES, Leôncio. Formação de educadores de jovens e adultos/ organizado por Leôncio Soares. Belo Horizonte: Autêntica/ SECAD-MEC/UNESCO, 2006.
SOUZA, Gilvam. Reflexões sobre a educação de jovens e adultos, a BNCC e a necessidade de uma construção curricular. In: portal periódicos UESB, v6, n6, p 3981-3993, 2017. Disponível em: http://www.periodicos.uesb.br/index.php/index/login?source=%2Findex.php%2Fsemgepraxis%2Farticle%2Fview%2F7510%2F7264. Acesso em 31 de outubro de 2019.
VIGOTSKI, Lev Semionovitch. A defectologia e o estudo do desenvolvimento e da educação da criança anormal. In: Educação e Pesquisa, v. 37, n. 4, p. 863-869, 2011. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/298/29821081012.pdf. Acesso em 31 de outubro de 2019.
<section style="text-align: justify; padding: 3px;"><span class="TextRun SCXW129413442 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW129413442 BCX0">

Downloads

Publicado

2020-07-01

Como Citar

Silva, N. N. N. (2020). DEFICIÊNCIAS SENSORIAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo Entre As Ciências, 9(1), 219-240. https://doi.org/10.22481/rbba.v9i1.6950