Desafios do conservadorismo nas políticas de inclusão do surdo negro: o resgate da memória para superar obstáculos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/redupa.v3.13836

Palavras-chave:

conservadorismo, políticas públicas, inclusão, surdo, negro

Resumo

Este artigo busca analisar os desafios enfrentados pelas políticas de inclusão de surdos negros no Brasil e seu prejuízo com o avanço do conservadorismo no Brasil, bem como destacar como a preservação da memória pode ser uma ferramenta para superar esses obstáculos. Partimos da premissa de que o crescimento das tendências conservadoras no Brasil tem impactado negativamente a luta contra o preconceito e prejudicado as políticas de inclusão, especialmente nas escolas sendo uma situação se agrava quando se trata de surdos negros, que além da surdez, ainda enfrentam preconceitos de raça. Utilizando uma abordagem qualitativa, fundamentada em autores como Silva (2011), Quadros (2004) e Santos e Obregón (2019), realizamos entrevistas semiestruturadas em uma escola da rede pública em Vitória da Conquista, Bahia. Nossos resultados indicam que os surdos negros enfrentam desafios significativos relacionados tanto à sua deficiência auditiva quanto à sua cor de pele. Nas entrevistas, também identificamos a falta de intérpretes de Libras como um dos principais problemas enfrentados por esses indivíduos. No entanto, acreditamos que o resgate da memória desses alunos e a promoção do compartilhamento e acesso às suas histórias de vida podem ser estratégias valiosas para combater a ausência de políticas inclusivas e resistir à crescente influência conservadora que avança no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wemerson Meira Silva, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil

Doutor no Programa de Pós-Graduação em Memória: Linguagem e Sociedade - [ PPGMLS-UESB].

Contribuição de autoria: autor.

Igor Tairone Ramos dos Santos, Universidade Federal da Bahia - Brasil

Doutorando em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Movimentos Sociais, Diversidade e Educação do Campo e Cidade-GEPEMDECC.
Contribuição de autoria: autor.
 
 

Referências

BARROCO, Maria Lúcia Silva. Ética: fundamentos sócio-históricos. São Paulo: Cortez, 2009.

BATALLA, Denise Valduga. Política Nacional de Educação especial na perspectiva da educação inclusiva brasileira. Fundamentos em Humanidades, v. 19, n. 1, 2009, p.77-89. Universidad Nacional de San Luis, Argentina.

BORJA, Maria Eunice Limoeiro; PEREIRA, Cleifson Dias. As leis nº 10.639/03 e nº 11.645/08: reflexões a partir do pensamento crítico acerca da colonialidade do saber. Cenas Educacionais, v. 1, n. 1, p. 242-270, 2018.

BRASIL. Lei 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/2002/.htm. Acesso em: 02 abr. 2022.

BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN). Brasília, DF, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Parecer CNE/CEB n.017/2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial. Brasília, DF: MEC/SEESP, 1994.

BRASIL. Senado Federal. Decreto nº. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais -Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Senado Federal. Lei nº 10.678, de 23 de maio de 2003. Cria a secretaria especial de políticas de promoção da igualdade racial, da presidência da república, e dá outras providências. Brasília, DF, 2003b.

BRITO, Fabio Bezerra de. O movimento social surdo e a campanha pela oficialização da língua brasileira de sinais.2013. 275 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

CAMPOS, Luísa Maria Ribeiro da Rocha Peixoto. Da escola da normalização à escola da diversidade: perspectivas da educação de surdos nos últimos trinta anos em Portugal: relatório de atividade profissional. 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) – Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Católica Portuguesa, Braga, 2013.

CANDAU, Vera Maria. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. Multiculturalismo: Diferenças Culturais e Práticas Pedagógicas, v. 2, p. 13-37, 2008.

CHAMPAGNAT, Pauline; Conceição Evaristo. A reconstrução de uma identidade fragmentada em becos da memória. Revista Criação & Crítica, v. 22, p. 57-71, 2018.

DE PAULA, A.; PEREIRA, K.; COSTA, F.; LIMA, K.; FERREIRA, E. Modernização conservadora, pedagogia do capital e as reformas educacionais. Cadernos do GPOSSHE On-line, v. 2, n. 1, p. 26 - 44, 19 ago. 2019.

FLACH, S. de F.; DA SILVA, K. C. J. R. O avanço conservador na legislação brasileira e seus impactos na educação. Cadernos do GPOSSHE On-line, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 64–83, 2019. DOI: 10.33241/cadernosdogposshe.v2i1.1522. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/CadernosdoGPOSSHE/article/view/1522. Acesso em: 24 set. 2023.

FREITAS, Sonia Maria de. História oral: possibilidades e procedimentos. São Paulo: Humanitas; Imprensa Oficial do Estado, 2002.

GOLDFELD, Márcia. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. 2. ed. São Paulo: Plexus, 2002.

GONZÁLES, Eugenio. Necessidades educacionais específicas. Porto Alegre, Artmed, 2007.

KELMAN, Celeste Azulay, SILVA, Daniele Nunes Henrique; AMORIM, Ana Cecília Ferreira de; AZEVEDO, Dayse Cristina; MONTEIRO, Rosa Marinho Godinho. Surdez e família: facetas das relações parentais no cotidiano comunicativo bilíngue. Linhas Críticas, 17(33), 349-365, 2011. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/5698/4710. Acesso em: 28 jun. 2022.

KOTAKI, Cristiane Satiko; LACERDA, Cristina Broglia Feitoza de. O intérprete de libras no contexto da escola inclusiva: focalizando sua atuação na segunda etapa do ensino fundamental. In: KOTAKI, Cristiane Satiko; LACERDA, Cristina Broglia Feitoza de. Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: EdUFSCar, 2013. p. 201-218.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. História oral: como fazer, como pensar. 2. ed. São Paulo - SP: Contexto, 2015.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. São Paulo: Loyola, 2002.

MENDES, Enicéia Gonçalves. Breve histórico da educação especial no Brasil. Revista Educación y Pedagogia, v. 22, n. 57, p. 93-109, maio/ago. 2010.

MENDES, Enicéia Gonçalves. Breve histórico da educação especial no Brasil. Revista Educación y Pedagogia, v. 22, n. 57, p. 93-109, maio/ago. 2010.

MIRANDA, Arlete Aparecida Bertoldo. História, deficiência e educação especial. Universidade Metodista de Piracicaba, 2003. Disponível em: https://docplayer.com.br/8634951-Historia-deficiencia-e-educacao-especial-1.html. Acesso em: 20 jul. 2022.

MUNIZ, Eray Proença; ARRUDA, Èlcia Esnarriaga. Políticas públicas educacionais e os organismos internacionais: influência na trajetória da educação Especial brasileira. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.28, p.258_277, dez. 2007.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo: PUC-SP. N° 10, p. 12. 1993.

NORONHA, Eliane Gonçalves; PINTO, Cibele Lemes. Educação especial e educação inclusiva: aproximações e convergências. 2011. p. 1-9. Disponível em: https://www.bonsucessomt.com.br/sws/livro/EDUCA%C3%87%C3%83O%20ESPECIAL%20E%20EDUCA%C3%87%C3%83O%20INCLUSIVA.pdf. Acesso em: 20 jun. 2022.

NORONHA, Eliane Gonçalves; PINTO, Cibele Lemes. Educação especial e educação inclusiva: aproximações e convergências. 2011. p. 1-9. Disponível em: https://www.bonsucessomt.com.br/sws/livro/EDUCA%C3%87%C3%83O%20ESPECIAL%20E%20EDUCA%C3%87%C3%83O%20INCLUSIVA.pdf. Acesso em: 20 jun. 2022.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

PORTELLI, Alessandro. A filosofia e os fatos: narração interpretação e significado nas memórias e nas fontes orais. Tempo, Rio de Janeiro, v 1, n.2, p. 59-72, 1997.

QUADROS, Ronice Müller de. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Porto Alegre: Artmed, 2004.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. Pólen Produção Editorial LTDA, 2019.

SANTOS, Fernanda Araújo Mota; OBREGÓN, Marcelo Fernando Quiroga. A ascensão dos partidos políticos de extrema direita na Europa: os possíveis reflexos desse fenômeno para União Europeia. Disponível em: https://www.obeltrano.com.br/portfolio/escolas-rurais-interrompidas/ . Acesso em: 10 fev. 2021.

SILVA, Adriana Brito da et al. A extrema-direita na atualidade. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 119, p. 407-445, Sept. 2014. Available from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282014000300002&lng=en&nrm=iso. access on 13 Feb. 2021. https://doi.org/10.1590/S0101-66282014000300002.

SILVA, Vilmar. Educação de surdos: uma releitura da primeira escola pública para surdos em Paris e do Congresso de Milão em 1880. In: QUADROS, Ronilce Müller de (org.). Estudos Surdos I: Série de Pesquisas. Petrópolis: Arara Azul, 2006.

SILVA, Wemerson Meira. Educação inclusiva para surdos/as: memórias sobre o componente curricular história e cultura afro-brasileira e africana no município de Vitória da Conquista-BA. 2022. 01 f. Tese (Doutorado) - Curso de Doutorado em Linguagem, Universidade Estadual da Bahia, Vitória da Conquista, 2022.

SILVÉRIO, Valter Roberto. Ações afirmativas e diversidade étnico-racial, 2005. In.

SANTOS, Sales Augusto dos (org.). Ações afirmativas e combate ao racismo nas Américas. Brasília-DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. p. 141-163.

SKLIAR, Carlos. Sobre o currículo na educação dos surdos. Espaço, Rio de Janeiro, n. 8, p. 38-43, 1997.

STOBÃUS, Claus; MOSQUERA, Juan. Educação especial: em direção à educação inclusiva. 2. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

Downloads

Publicado

2024-01-16

Como Citar

SILVA, W. M.; SANTOS, I. T. R. dos. Desafios do conservadorismo nas políticas de inclusão do surdo negro: o resgate da memória para superar obstáculos. Revista Educação em Páginas, Vitória da Conquista, v. 3, p. e13836, 2024. DOI: 10.22481/redupa.v3.13836. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/13836. Acesso em: 18 jun. 2024.