Educação inclusiva em Moçambique: percurso e percalços

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/redupa.v2.12244

Palavras-chave:

educação inclusiva, inclusão, escolas inclusivas, escolas especiais

Resumo

O estudo que se apresenta neste artigo baseia-se em evidências que mostram que a inclusão escolar, especialmente, após a promulgação da Declaração de Salamanca, é hoje uma proposta política hegemónica de educação em praticamente todo o mundo (Bueno, 2005)[1], e a constatação de que o ideal democrático de educação para todos ainda está muito longe de ser alcançado (Chambal, 2011). Esta abordagem parte dos problemas que ainda enfermam a eficácia de uma política de uma Educação Inclusiva (EI), e procura traçar o percurso da Educação Inclusiva em Moçambique, desde a sua implantação até aos dias correm. Este trabalho parte do questionamento da eficácia das políticas inclusivas e visa i. apresentar o contexto da implantação da educação inclusiva em Moçambique, o seu percurso, os instrumentos que dão suporte a esta política; e, ii. fazer uma abordagem crítica sobre os percalços e sobre o contexto actual. Através da revisão bibliográfica da literatura sobre as políticas de inclusão, em Moçambique e no mundo, esta reflexão concluiu que a Educação Inclusiva em Moçambique continua um desafio para as autoridades governamentais. Da génese da implementação de uma educação especial à política de inclusão actualmente vidente, a EI vai experimentando um percurso sinuoso, marcado por percalços decorrentes da amálgama conceptual e de implementação.

 

[1] Apud Chambal (2011).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilberto Necas Mucambe Milice, Escola Superior de Ciências Náuticas - Moçambique

Doutorando em Linguística pela UEM, docente na Escola Superior de Ciências Náuticas (ESCN) e coordenador de projectos de apetrechamento de bibliotecas e de incentivo à leitura no Fundo Bibliográfico de Língua Portuguesa, em Moçambique.

Referências

Aiscow, M. (1999). Understanding the Development of Inclusive Schools. Falmer Press.

Aiscow, M. (2009). Tornar a Educação Inclusiva: Como esta tarefa deve ser conceituada? In Favero, et. al. (2009). Tornar a Educação Inclusiva. Brasília: UNESCO. Pp. 11-23.

AM. (2009). Relatório Sobre Ensino Especial. X Legislatura. Comissão de Educação e Ciência ‒ Ensino Especial. Lisboa.

Artiles, A. & Dyson, A. (2005). Inclusive Education in the Global Age: The Promise of Comparative, Cultural-Historical Analysis. In Mitchell, D. (2005). Contextualizing Inclusive Education. London & New York: Routledge. Pp.37-62.

Bavo, N. & Coelho, O. (2019). Pertinência e Urgência da Língua De Sinais (L1) e do Português (L2/Le) no Currículo dos Alunos Surdos em Moçambique. Revista e-Curriculum, São Paulo, v.17, n.3, p. 909-932 jul./set. 2019, e-ISSN: 1809-3876. Currículo – PUC/SP. http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum.

Chambal, L. A. (2011). ‘As Políticas de Inclusão Escolar em Moçambique e a Escolarização dos Alunos com Deficiências uma Trajectória de Pesquisa’. X CNE- Educere. PUCPR. Curitiba: 7-10 de Novembro, 2011.

Clough, P. (2000). Theories of Inclusive Education: A Student's Guide. Sage/Paul. London: Chapman Publishing, 2000. In http: pt, / / www. Wikipédia. Org. Educação Especial, acessado a 20/5/2009. 13h.

Correia, L. M. (2001). Educação Inclusiva ou Educação Apropriada. In Rodrigues, D. (2001). Educação e Diferença: Valores e Práticas para Uma Educação Inclusiva. Cap. 9. Pp. 123-142. Colecção Educação Especial Nº 7. Porto: Porto Editora.

Correia, L. M., & Cabral, M. (1999). Uma nova política em educação. In Correia, L. M. (Ed.). Alunos com necessidades educativas especiais nas classes regulares, 17-43. Porto: Porto Editora.

EEIDCD (2020-2029). Resolução n.º 40/2020. (2020). Boletim da República, Sexta-feira, 10 de Julho de 2020, I Série – Número 131.

Hallahan, D.P., Kauffman, J. M., Pullen, P.C. (2014). Learners with Learning Disabilities. In Hallahan, D.P., Kauffman, J. M., Pullen, P.C. (2014). Exceptional Learners: An Introduction to Special Education. Pp. 163-200. Twelfth Edition. London: Pearson.

Kauffman, J. M., Nelson, C.M. Limpson, R.L. & Mock, D.R. (2011). Contemporary Issues. In Kauffman, J. M. & Hallahah, D.P. Handbook of Special Education. New York and London: Routledge.

Marchesi, À. (2001). A Prática das Escolas Inclusivas. In Rodrigues, D. (2001). Educação e Diferença: Valores e Práticas para Uma Educação Inclusiva. Cap. 7. Pp. 94-108. Colecção Educação Especial Nº 7. Porto: Porto Editora.

MEC. (2004). Plano Estratégico de Educação 2004 – 2008. Maputo/Moç.: Ministério da Educação.

MEC-DEE. (2004). Estratégia da Educação Inclusiva. Maputo/Moç.: Ministério da Educação.

Michaque, A. T. S. (2013). Políticas Educacionais como Mecanismo de Inserção das Pessoas Portadoras de Deficiência no Ensino: Uma Análise Histórica para o Caso de Moçambique e as Obrigações do Estado no Direito à Educação. In Massarongo-Jona, O. (2013). Revista de Direitos Humanos - Volume 2: Direitos da Pessoa com Deficiência. Maputo: UEM/FD/CDU. Pp. 29-55.

Milice, G. N. M. (2010). ‘Planificação Linguística no Ensino Especial em Moçambique: Identificação de Presumíveis Problemas na 6ª Classe - Caso das Escolas Especiais nº 1 e 2 da Cidade de Maputo. Monografia de conclusão do Curso de Licenciatura em Linguística e Literatura (não publicada). Maputo: FLECS/UEM. 30p.

Milice, G. N. M. (2016). ‘Educação Técnico-Profissional e o Mercado de Emprego na Província de Maputo: O Caso da Laresh Internacional, 2000 – 2014’. Dissertação de Mestrado. (não publicada). Maputo: FLECS/UEM. 130p.

Milice, G. N. M. (2022). Literacia para o Ensino e Aprendizagem da leitura em Moçambique: do contexto multilingue à emergência de uma Educação iminentemente Inclusiva. Revista Educação em Páginas/REDUPA. 29p.

MINED. (2006). ‘Plano Estratégico de Educação e Cultura, 2006 – 2010/11: Fazer da escola um Pólo de Desenvolvimento Consolidando a Moçambicanidade’. Maputo/Moç.: Ministério da Educação.

MINED. (2017). Plano Nacional de Acção de Leitura e Escrita (PLALE): Ler e Escrever em casa, Ler e Escrever na Escola e Ler e Escrever na comunidade. Maputo/Moç.

MINED. (s/d). Programa de Português para o 3º Ciclo do Ensino Básico (6ª e 7ª Classes). Maputo/Moç.: INDE

MINEDH. (2012). ‘Plano Estratégico de Educação, 2012-2016: Vamos aprender Construindo Competências para um Moçambique em constante desenvolvimento’. Maputo/Moç.: Ministério da Educação.

Mitchell, D. (2005). Sixteen Propositions on the Context of Inclusive Education. In Mitchell, D. (2005). Contextualizing Inclusive Education. London & New York: Routledge. Pp. 1-21.

Moçambique. (2004). Constituição da República de Moçambique. Imprensa Nacional

Moçambique. (2012). Plano Nacional da Área da Deficiência – PNAD II 2012-2019

Norwich, B. (2008). Dilemmas of Difference, Inclusion and Disability: International perspectives and future directions. London & New York: Routledge.

Reid, G. (2005a). Dyslexia. In Lewis, A. & Norwic, B. (2005). Special Teaching for Special Children? Pedagogies for inclusion. New york: OUP. Pp. 138-150.

Warnock, H. M., at. al. (1978). Report of the Committee of Enquiry into the Education of handicapped Children and Young People. London: Her Majesty's Stationery Office.

Downloads

Publicado

2023-04-01

Como Citar

MILICE, G. N. M. Educação inclusiva em Moçambique: percurso e percalços. Revista Educação em Páginas, Vitória da Conquista, v. 2, p. e12244, 2023. DOI: 10.22481/redupa.v2.12244. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/12244. Acesso em: 18 jun. 2024.