Quando o estigma se institucionaliza: os desconfortos de um atendimento no serviço de saúde mental para usuários de drogas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/sertanias.v2i1.12097

Palavras-chave:

institucionalização, estigma, serviços de saúde, Pessoas em situação de vulnerabilidade

Resumo

Através do estudo de caso de um paciente atendido por profissionais de saúde de um serviço especializado em saúde mental para usuários de drogas, analisa-se antes e depois da reestruturação desse serviço ao receber recursos do financiamento de políticas públicas do Plano de Enfrentamento ao Crack, Álcool e Outras Drogas. O perfil de paciente esperado destoa do perfil de paciente atendido gerando dificuldades para os profissionais e a própria instituição no atendimento desse paciente e criando entraves no encaminhamento pela rede de atenção disponível. Assim, evidencia as classificações morais que permeiam o cotidiano dos serviços de saúde, bem como suas implicações sobre a vida dos usuários, destaca-se o preconceito e estigma (PARKER; AGGLETON, 2001) sofrido por quem passa por essa rede. Essa situação gera consequências nas práticas de cuidados com a saúde/doença nos fazendo refletir sobre os desafios relacionados ao estigma vivido no âmbito da saúde a fim de rebater diretamente as questões fundamentais sobre garantia dos direitos humanos dos mais vulneráveis (MONTEIRO; VILELLA, 2013). Dessa forma, é possível apontar para os limites do processo de discriminação institucionalizada que devem ser tencionados no atendimento de uma saúde com qualidade – e pública – para a maior parte da população (MONTEIRO; VILELLA; KNAUTH, 2012).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Farfan Barroso, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Docente da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), no Departamento de Filosofia e Ciências Humanas - DFCH.

Daniela Riva Knauth, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1988), com mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1991) e doutorado em Etnologia e Antropologia Social - Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales (1996). Atualmente é Professora Titular do Departamento de Medicina Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, atuando também como docente e orientadora no Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia. Tem experiência na área de Antropologia do Corpo e da Saúde e Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: sexualidade, saúde reprodutiva, aids, gênero e juventude.

Referências

AUGÉ, Marc.L’anthropologie de lamaladie.L’Homme, Paris, v.26, n.1-2, p.81-90, 1986.

BECKER, Howard S. Outsiders. Estudos de sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Zahar. 2008

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Normas de Pesquisa envolvendo seres humanos. Res. CNS 196/96. Bioética 1996; 4 Suppl: 15-25.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação Nacional de DST/Aids. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas / Ministério da Saúde, Secretaria Executiva, Coordenação Nacional de DST e Aids. – Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto Nº 7.179, de 20 de maio de 2010.Institui o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas, cria o seu Comitê Gestor, e dá outras providências. 2010.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº10.216, de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. 2001

CONRAD, Peter. Medicalization and social control. Annual Review of Sociology, 18 p. 209-232. 1992.

DAS, V.; KLEINMAN, A.; LOCK, M.; RAMPHELE, M.; REYNOLDS, P. (Org). Remaking a world: violence, social suffering and recovery. Berkeley, Los Angeles e Londres. University of California Press, 2001.

DOUGLAS, Mary. Como as instituições pensam. São Paulo: EDUSP, 1998.

GOOD, Byron. How medicine constructs its objects. In: GOOD, B. Medicine, racionality and experience. Cambridge University Press, 1994, p. 65-87.

DSM-5. American Psychiatnc Association. Tradução Maria Inês Corrêa Nascimento et al. Revisão técnica: Aristides Volpato Cordioli et al. Porto Alegre: Artmed, 2014.

FASSIN, Didier. When Bodies Remember.Experiences and politics of AIDS in South Africa.Berkeley:Los Angeles, UniversityofCalifornia Press, 2007.

FONSECA, Claudia. Quando cada caso NÃO é um caso: pesquisa etnográfica e educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, ANPED, n. 10, p. 58-78, jan. /abr. 1999

GOOD, B. How medicine constructs its objects. In: Medicine, Racionality and Experience. Cambridge University Press, 1994.

KLEINMAN, Arthur. Patients and hearlers in the context of culture. Los Angeles: University of California, 1980.

MONTEIRO, Simone; VILELLA, Wilza Vieira; KNAUTH, Daniela Riva. Discrimination, stigma, and AIDS: a review of academic literature produced in Brazil (2005 - 2010).Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, 28 (1): 170-176, jan, 2012.

MONTEIRO, Simone; VILELLA; Wilza (Orgs.) Estigma e Saúde. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2013.

PARKER, Richard; AGGLETON, Peter. Cidadania e Direitos nº 1 - Estigma, Discriminação e Aids. Coleção ABIA. Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids. Rio de Janeiro, RJ:2001

PARKER, Richard. Interseções entre estigma, preconceito e discriminação na saúde pública mundial. In: MONTEIRO, Simone; VILELLA; Wilza (Orgs.) Estigma e Saúde. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2013.

ROSENBERG, Charles E. The tyranny of diagnosis: specific entities and individual experience. The Milbank Quartely, v. 80, n. 2, p. 237-259, 2002.

RUI, Taniele. Nas tramas do crack: etnografia da abjeção. São Paulo, Terceiro Nome, 2014.

Downloads

Publicado

2023-02-28

Como Citar

BARROSO, P. F.; KNAUTH, D. R. Quando o estigma se institucionaliza: os desconfortos de um atendimento no serviço de saúde mental para usuários de drogas. Sertanias: Revista de Ciências Humanas e Sociais, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 1-19, 2023. DOI: 10.22481/sertanias.v2i1.12097. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/sertanias/article/view/12097. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos