Gramáticas de Estado: um estudo sobre as práticas de estado e discurso de “desenvolvimento” em Atafona – São João da Barra/RJ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/sertanias.v2i1.12175

Palavras-chave:

Desenvolvimento, Conflito ambiental, Estado

Resumo

O Estado pode se apresentar de variadas formas na vida cotidiana de diferentes grupos sociais, principalmente, com aqueles que se encontram nas “margens do Estado”. Estes grupos são constantemente alvos de políticas de regulação e de “desenvolvimento” que intentam disciplinar e regular suas práticas, ao mesmo tempo, vale salientar, as práticas e o modo de vida nestes espaços moldam as formas do Estado agir. A partir de um estudo etnográfico realizado entre os anos 2012 e 2013 com a comunidade de pescadores de Atafona (São da Barra -RJ), este artigo busca analisar como ocorreu a atuação do Estado na implementação de um projeto econômico de “desenvolvimento” através da implantação de um complexo portuário e o aumento do número de plataformas de extração de petróleo.  Tomo este processo como integrante de um projeto modernizador de Estado-Nação, dessa forma, descrevo como ele é colocado em prática e quais os significados que a categoria “desenvolvimento” assume. Do mesmo modo, procuro compreender as estratégias utilizadas pelos pescadores para manterem suas práticas no espaço marítimo disputado, onde certos grupos têm mais legitimidade que outros na apropriação do mar, já que o Estado particulariza o espaço público, legitimando o uso daqueles que tem o papel de “desenvolver” o país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hully Guedes Falcão, Fundação Oswaldo Cruz

Doutora em Antropologia pela Universidade Federal Fluminense. Pesquisadora de Pós-Doutorado Inova-Fiocruz no Programa de Pós-Graduação em Informação e Comunicação em Saúde (PPGICS-Icict) da Fundação Oswaldo Cruz. É pesquisadora do Núcleo de Estudos em Comunicação, História e Saúde (NECHS –Fiocruz/UFRJ) e do Instituto de Estudos Comparados em Administração Institucional de Conflitos (INCT/InEAC).

Referências

AMSELLE, Jean-Loup. L’anthropologue et le politique, Nouvelles Edition Lignes, 2012.

ASAD, Talal. 2008. “¿Dónde están los márgenes del estado?”. Cuadernos de Antropología Social, n° 27, Julio, UBA, Buenos Aires, Argentina, p.53-62.

ACSELRAD, Henri. Conflitos ambientais – a atualidade do objeto. In: ACSELRAD, Henri (Org.). Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relumedumará: Fundação Heinrich Boll, 2004.

ACSELRAD, Henri. Conflito social e mudança ambiental na barragem de Tucuruí. In: ACSELRAD, Henri (Org.). Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relumedumará: Fundação Heinrich Boll, 2004.

ACSELRAD, Henri Apresentação. In: ZHOURI, Andréa (Org.). A Insustentável leveza da política ambiental. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Terra de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livres”, “castanhais do povo”, faixinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. Manaus: PGSCA-UFAM, 2008.

BARTH, Fredrik. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra-capa, 2000.

BARTH, Fredrik. Etnicidade e o conceito de cultura. In: Antropolítica, Revista contemporânea de Antropologia e Ciência Política. Rio de Janeiro, Universidade Federal Fluminese, n. 19, p. 15-30, 2005.

BOLTANSKI; Luc; THÉVENOT, Laurent. “A Sociologia da Capacidade Crítica”. Trad. Marcos de Aquino Santos, a partir do artigo “The sociologyofcriticalcapacity”, publicado em Europeanjournalof Social Theory, 1999.

BRONZ, Deborah. Pesca e petróleo na Bacia de Campos – Políticas de Licenciamento Ambiental no Mar: Atores e Visões. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social/Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

CARDOSO DE OLIVEIRA, L. R. “Direito Legal e Insulto Moral. Dilemas da Cidadania no Brasil, Quebec e EUA”. Rio de Janeiro: Relumedumará. 2002. (Coleção Antropologia da Política. Núcleo de Antropologia da Política (NUAP)).

DAS, Veena; POOLE, Deborah. “El Estado e sus márgenes. Etnografías Comparadas”. Cuadernos de Antropología Social, n° 27. Julio, UBA, Buenos Aires, Argentina, 2008.

DUARTE, Luiz F. Dias. As redes de suor: a reprodução social dos trabalhadores da produção da pesca em Jurujuba. Niterói: Eduff, 1999.

FALCÃO, H. G.; MOTA, F. R. Infringir para resistir: mobilizações coletivas dos pescadores de Atafona- São João da Barra (RJ). Ava, v. 26, p. 107-124, 2015.

FERGUSON, James. Global Shadows. Africa in the neoliberal world order. Duke University Press, 2006.

LITTLE, Paul E. Os conflitos socioambientais: um campo de estudo e ação política. In: BURSZTYN, Marcel (org.). A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais. Rio de Janeiro: Garamond, 2001.

LITTLE, Paul E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: Por uma antropologia da territorialidade. In: Série antropologia, Brasília: UNB, 2002.

O'DWYER, Eliane Cantarino. Estratégias de redefinição do Estado no contexto de reconhecimento das Terras de Quilombo no Brasil. Novos Debates, v. 1, p. 80-86, 2014.

O'DWYER, Eliane Cantarino. Projeto modernizador de construção da nação e estratégias de redefinição do estado e suas margens. In: ZHOURI, Andrea; VALENCIO, Norma. (Orgs.). Formas de matar, de morrer e de resistir. 1ed.Belo Horizonte: Humanitas/UFMG, 2014. p. 79-94.

MARSHALL. T. H. Cidadania, Classe Social e Status. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MOTA, F. R.. O Estado contra o Estado: direitos, poder e conflitos no processo de produção da identidade "quilombola" da Marambaia. In: LIMA, Roberto Kant de (Org.). Antropologia e Direitos Humanos 3. Prêmio ABA-FORD. 1ed.Niterói: eduff, 2001, v. 3, p. 133-183.

PEIRANO, Mariza. Thishorrible time ofpapers: documentos e valores nacionais. Série Antropologia, Brasília, DF, v. 312, 2002.

POLANYI, Karl. A Grande Transformação. As origens de nossa época. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2000.

VERDUM, Ricardo. As Obras de Infraestrutura do PAC e os Povos Indígenas na Amazônia Brasileira. 1. Ed. Brasília: Instituto de Estudos Socioeconômicos, 2012. V. 1.

WEBER, Max. Relações comunitárias étnicas. In: Economia e Sociedade. Brasília: unb, 1991. V. 1, p. 267-277.

ZARUR, George de Cerqueira Leite. Os Pescadores do Golfo. Antropologia Econômica de uma comunidade norte-americana. Rio de Janeiro: Editora Achiamé, 1984.

ZHOURI, A; LASCHEFSKI, K. ; SIANO, D. B. P. Desenvolvimento, Sustentabilidade e Conflitos Socioambientais. In: ZHOURI, Andréa; LASCHEFSKI, Klemens; BARROS, Doralice Pereira. (Org.). A insustentavel leveza da política ambiental. Desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autentica Editora, 2005.

Downloads

Publicado

2023-02-28

Como Citar

FALCÃO, H. G. . Gramáticas de Estado: um estudo sobre as práticas de estado e discurso de “desenvolvimento” em Atafona – São João da Barra/RJ. Sertanias: Revista de Ciências Humanas e Sociais, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 1-23, 2023. DOI: 10.22481/sertanias.v2i1.12175. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/sertanias/article/view/12175. Acesso em: 28 nov. 2023.

Edição

Seção

Artigos