O que quer o currículo para a educação infantil? Um gesto analítico dos documentos da política curricular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/redupa.v3.14112

Palavras-chave:

documentos curriculares, educação infantil, política curricular

Resumo

Nesta investigação, foi tecida uma análise dos documentos curriculares para a Educação Infantil, a saber, o Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil – RCNEI (1998), as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil – DCNEI (2009), a Base Nacional Comum Curricular – BNCC (2017) e seus engendramentos discursivos constitutivos da política curricular. Tais documentos demarcaram o contexto da Educação Infantil com o atravessamento dos seus discursos e que não trazem em si uma linha contínua das suas significações, mas revelam as continuidades, as rupturas, os liames e os entrelaços desse composto curricular. Ao diagramar-se a política curricular através dos documentos RCNEI, as DCNEI e a BNCC, percebeu-se que cada um foi elaborado sob forte influência do contexto histórico. Os saberes que se põe a falar sobre a criança e sua infância a partir dos RCNEI são os mesmos que vislumbram a Educação Infantil como etapa preparatória da escolarização. Na análise das DCNEI, percebe-se a ideia de Educação Infantil como etapa que fornece meios para progredir no trabalho e nos estudos posteriores. Já a BNCC, traz rupturas à política curricular para Educação Infantil, pois o que se põe em disputa no currículo evidencia-se no estabelecimento da gestão de competências e fixação de conteúdos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilmara Santos de Jesus, Secretaria Municipal de Educação de Ituberá, Bahia - Brasil

Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Docente da Educação Infantil na Secretaria Municipal de Educação de Ituberá, Bahia.

Contribuição de autoria: escrita do artigo

Reginaldo Santos Pereira, Universidade Estadual do Sudoetes da Bahia - Brasil

Doutor em Educação (UFSCar). Professor Titular do Departamento de Ciências Humanas, Educação e Linguagem (DCHEL) e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Líder do Grupo de Pesquisa: Infância, Educação e Contemporaneidade (GPIEC).

Contribuição de autoria: escrita do artigo.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Educação Infantil no Brasil: situação atual. Brasília: MEC/SE/DPE/COEDI, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. CNE/CEB. Parecer CEB n. 22/98. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE /CEB n. 20, de 11 de novembro de 2009. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Propostas Pedagógicas e Currículo em Educação Infantil: um diagnóstico e a construção de uma metodologia de análise. Brasília, DF: 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, MEC/SEB, 2017.

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Infâncias e maquinarias. Rio de Janeiro: DP & A, 2002.

CARVALHO, Rodrigo Saballa de. Análise do discurso das diretrizes curriculares nacionais de educação infantil: currículo como campo de disputas. Educação. Porto Alegre, v. 38, n. 3, set./ dez. 2015. Disponível em: http://www.revistaseletronicas.pucrs.br> Acesso em: 11 de set. 2022.

CERISARA, Ana Beatriz. O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil no contexto das reformas. Revista Educação & Sociedade, v. 23, n. 80, p. 326-345, 2002.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Educação infantil como dever do estado. In: ABRAMOWICZ, Anete; HENRIQUES, Afonso Canella (Orgs.). Educação Infantil: a luta pela infância. Campinas, SP: Papirus, 2018.

LISBOA, Carla; QUILLICI, Armindo; PRADO, Mariana do. A concepção de infância presente no Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil – RCNEI. X Seminário Nacional do HISTEDBR. UNICAMP, 2016.

LOPES, Alice Cassimiro; MACEDO, Elizabeth. Uma alternativa às políticas curriculares centralizadas. Roteiro, Joaçaba, v. 46, jan./dez. 2021.

RESENDE, Haroldo de. A infância sob o olhar da Pedagogia: traços da escolarização na Modernidade. In: RESENDE, Haroldo de (Org.). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

ROSEMBERG, Fúlvia; CAMPOS, Maria Malta, FERREIRA, Isabel. M. Creches e pré-escolas no Brasil. Cadernos de Pesquisa, n. 85, p. 81–82, 1993. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/955. Acesso em: 23 jun. 2022.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Das teorias tradicionais às teorias críticas. In: Documentos de identidade: uma introdução às teorias de currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

VEIGA-NETO, Alfredo. Governamentalidades, neoliberalismo e educação. In: CASTELO BRANCO, Guilherme; VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault: filosofia e política. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

Downloads

Publicado

2024-01-15

Como Citar

JESUS, G. S. de; PEREIRA, R. S. O que quer o currículo para a educação infantil? Um gesto analítico dos documentos da política curricular. Revista Educação em Páginas, Vitória da Conquista, v. 3, p. e14112, 2024. DOI: 10.22481/redupa.v3.14112. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/14112. Acesso em: 18 jun. 2024.