A rotatividade no call center: um olhar a partir dos jovens de um call center em Teresina, Piauí

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/sertanias.v4i2.12630

Palavras-chave:

Call Center, Jovens Trabalhadores, Operador de Telemarketing, Trabalho por um Fio, Trabalho emocional

Resumo

A metamorfose do mundo de produção capitalista global se modifica historicamente, ampliando sua capacidade a partir de suas transições no que se refere ao seu modo de organização do labor, do emprego e da produção. As revoluções industriais e tecnológicas apresentam, em grande medida, este rearranjo e traz à tona “novas” modificações advindas desta metamorfose do capital no século XXI. Considerando as sociedades contemporâneas, que se desenvolvem a partir de uma lógica de produção capitalista, baseada na telemática, surgem diversos ramos intermediários na atividade produtiva intensivos em informação, comunicação, dentre eles, os Call Center. A restruturação produtiva reconfigura as variáveis do trabalhador e sua forma de inserção no mundo do trabalho. Fatores que outrora não eram apropriados pelo capital como por exemplo, a dimensão subjetiva passam a ser apoderados pelo modo de organização do trabalho, em sua nova roupagem de acumulação flexível, tercerismo e outros arranjos que captura o trabalhador e altera suas experiências nas relações do labor. Diante deste contexto, esse estudo é sobre o trabalho de jovens em uma empresa de Call Center em Teresina, Piauí. Portanto, busca-se compreender como se constitui o trabalho de jovens teresinenses em Call Center ante aos processos de superexploração da força de trabalho em um contexto de deformação do mundo do trabalho. No que se refere os procedimentos teórico metodológicos, as categorias e conceitos chaves são: terceirismo, flexibilidade, intensificação do setor de serviços, superexploração do trabalho, Call Center, telemarketing, precarização do trabalho, trabalho emocional. Por meio dessas categorias, busca-se compreender como os jovens de Teresina veem no Call Center uma forma de ingressar no mercado de trabalho. A questão de como vem se constituído o trabalho nos espaços de Call Center, sobretudo da força de trabalho jovens, chamou atenção, uma vez que os trabalhadores estão inseridos em um contexto de deformações em esfera global, do labor. A partir das entrevistas realizadas com esses jovens, é possível afirmar que o trabalho por eles realizado era considerado como um “trampolim”, sobretudo para aqueles que estão/estavam no ensino superior ou que já concluíram. Diante dessa realidade, restam continuar como operador(a) de telemarketing, a não se encontrarem incorporados pela tragédia do desemprego. Porém, não consideravam a função que exerciam como um emprego, mais apenas um meio para custear necessidades para continuarem construindo uma outra alternativa de “projeto de vida”.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Johnne Petterson de Sousa Araujo, Universidade Federal do Piauí - UFPI

Graduação em Geografia pela Universidade Federal do Piauí. Graduando em Direito pela Faculdade Estácio de Teresina. Mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Piauí.

Referências

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

BRAGA, R. Sob a sombra do precariado. In: HARVEY, D. et al. Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo/Carta Maior, 2013.

BOHLANDER, G.; SNELL, S.; SHERMAN, A. Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Cengage Learning, 2003

BRASIL. Decreto nº 11.034, de 5 abril de 2022. Dispõe sobre a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 - Código de Defesa do Consumidor, para estabelecer diretrizes e normas sobre o Serviço de Atendimento ao Consumidor. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9472.htm Acesso em: 24 dez. 2023

BRASIL. Ministro de Estado do Trabalho e Emprego. Portaria nº 397, de 09 de outubro de 2002. Brasília, 2002. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=382544&filename=LegislacaoCitada%20INC%208189/2006 .Acesso em: 24 dez. 2023.

COSTA, T. Crescimento supera expectativas. São Paulo: Gazeta Mercantil, ed 1999.

PAIVA, K. C. M.; DUTRA, M. R. S.; LUZ, T. R. Comprometimento organizacional de trabalhadores de call center. Revista de Administração da USP, v. 50, n. 3, p. 310-324, 2015

MANCINI, L. Call Center: estratégia para vencer. São Paulo: Ask, 2001.

MADRUGA, R. Gestão Moderna de Call Center e Telemarketing. 2ª ed. Editora Atlas, 2009.

MARTINS, M. da S.; MATOS, E.; SALUM, N. C., Turnover of nursing workers in an adult emergency unit, Texto & Contexto Enfermagem, v. 28, 2019.

MOBLEY, William H. Turnover: causas, consequências e controle. Porto Alegre: Ortiz, 1992.

MANNRICH, N. Operadores de teleatendimento (telemarketing): algumas reflexões. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 1a Região, 21(48), 69-79, 2010.

NOGUEIRA, C. M. As trabalhadoras do telemarketing: uma nova divisão sexual do trabalho? In: ANTUNES, R.; BRAGA, R. Infoproletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo, 2009. p, 187-212

FERREIRA, M. L. C. B., & SIQUEIRA, M. M. M. Antecedentes de intenção de rotatividade: estudo de um modelo psicossocial. Organizações em Contexto. 2005.

GUIMARÃES, C.I. S. Teleoperadores de call center de uma empresa de comunicações em Porto Alegre: um estudo sociológico (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2012.

HOCHSCHILD, A. R. The managed heart: commercialization of human feeling. Londres, Reino Unido: University of California Press Ltd., 2003. pp. 147-163

HUWS, U. Vida, trabalho e valor no século XXI: desfazendo o nó. Caderno CRH, Salvador, v. 27, n. 70, pp.13-30, jan/abr. 2013.

ROSENFIELD, Cinara Lerrer. Paradoxos do capitalismo e trabalho em call centers: Brasil, Portugal e Cabo Verde. Caderno CRH: revista do Centro de Recursos Humanos, Salvador, v.20, n.51, p.447-462, set./dez., 2007a.

SÁ, A. C. A. G. P.; SÁ, P. H. F. L. M. As características da função e seu impacto nos níveis de satisfação do funcionário de contato: um estudo em uma grande empresa de telecomunicações. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 16(53), 658-676, 2014.

SILVA, L. F. S. C.; MOCELIN, D. G. Satisfação com o emprego em Call Centers: novas evidências sobre o emprego trampolim. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 9(2), 60-71, 2009.

SCOLARI, C., COSTA, S. G. da; MAZZILLI, C. Prazer e sofrimento entre os trabalhadores de Call Center. Revista de Psicologia da USP, 20 (4), 2009

TAKAHASHI, L. T.; SISTO, F. F.; CECILIO-FERNANDES, D. Avaliação da vulnerabilidade ao estresse no trabalho de operadores de Telemarketing. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 14(3), 336-346, 2014.

VISSER, R. G. B. A formalidade precária: os batalhadores do telemarketing. In: SOUZA, J. (Org.). Os Batalhadores Brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte: UFMG, 2010. pp. 61-84

VASCONCELLOS, L. H. R.; MARX, R.; FIGUEIREDO, J. C. B. A contribuição do call center para a inovação em empresas de serviço no Brasil. In: ENCONTRO DA ANPAD, 35. 2011, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2011.

ZARIFIAN, Philippe. Comunicação e subjetividade nas organizações In: DAVEL, Eduardo; VERGARA, Sylvia Constant (Organizadores). Gestão com pessoas e Subjetividade. São Paulo: Atlas, 2001.

ZILIOTTO, D. M.; OLIVEIRA, B. O. A organização do trabalho em Call Centers: Implicações na saúde mental dos operadores. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 14(2), 169-179, 2014.

Downloads

Publicado

2023-12-27

Como Citar

ARAUJO, J. P. de S. A rotatividade no call center: um olhar a partir dos jovens de um call center em Teresina, Piauí. Sertanias: Revista de Ciências Humanas e Sociais, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 1-20, 2023. DOI: 10.22481/sertanias.v4i2.12630. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/sertanias/article/view/12630. Acesso em: 21 jun. 2024.