Potencialidades e desafios para o uso sustentável do Horto Florestal urbano de Ipiaú – Bahia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/sertanias.v4i2.14187

Palavras-chave:

Parques urbanos, Educação ambiental, Análise ambiental

Resumo

As áreas verdes são muito importantes para a sociedade, potencialmente podem ser utilizadas para o lazer, prática de atividade física, contemplação da natureza, ambientes educativos, dentre outros usos. Nessa perspectiva, um horto florestal urbano constitui uma opção de área verde que pode impactar positivamente na vida da comunidade. Diante disso, esse estudo teve como objetivo analisar as potencialidades e os desafios para o uso sustentável do Horto Florestal Urbano da cidade de Ipiaú, município da região Sul da Bahia. A metodologia utilizou técnicas de observação in loco, entrevistas, questionários, ferramentas de planejamento estratégico e análise estatística. Os resultados apresentam um panorama que expressa as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças ao uso sustentável do Horto Florestal. Além disso, as análises apontaram ainda os serviços ecossistêmicos de regulação que essa área verde proporciona. Desta forma, espera-se que os resultados possam contribuir para tomada de decisões, gestão e proposição de políticas públicas para utilização do Horto, espaço que oferta benefícios ambientais para a comunidade e possui potencialidades que poderiam ser valorizadas, com vistas à sustentabilidade ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daiane Quele Pereira dos Santos

Graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Especialização em Gestão e Educação Ambiental pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - IFBA.

Valdirene Santos Rocha Sousa, Instituto Federal da Bahia

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal da Bahia - UFBA. Graduação em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB. Mestrado em Cultura, Memória e Desenvolvimento Regional pela Universidade do Estado da Bahia. Docente no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA), Campus Jequié. Atuou como líder do Grupo de Pesquisa Território, Educação e Sustentabilidade - TESSER/IFBA/Jequié (2015-2021). Atuou como membro titular do Conselho Municipal Desenvolvimento Rural Sustentável de Jequié/BA (2016-2020). Atuou como bolsista do Centro Latino-Americano para o Desenvolvimento Rural - RIMISP. Atuou como Coordenadora de Núcleo do Núcleo de Extensão em Desenvolvimento Territorial - NEDET/Cnpq/TMRC. Atuou como Coordenadora de Extensão e Relações Comunitárias do IFBA-Jequié. Atuou como Coordenadora do Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Especiais - NAPNE/IFBA. Vinculada ao Grupo de Pesquisa TESSER/IFBA. Vinculada ao Grupo de Pesquisa Geografia dos Assentamentos na Área Rural - GeografAR/UFBA.

Hélio Rocha Sousa Filho, Secretaria de Educação do Estado daa Bahia

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, especialização em Gestão e Educação Ambiental pela Faculdade de Ciências Educacionais, especialização em Gestão Escolar pela Universidade Federal da Bahia, mestrado em Genética, Biodiversidade e Conservação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia e doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Estadual de Santa Cruz. Atualmente, é professor da Secretaria da Educação do Estado da Bahia. Tem experiência na áreas de Gestão Educacional, Ensino de Biologia Geral e Ciências Ambientais.

Referências

ALMEIDA, A.; MEDEIROS, A.; SOUZA, E. P. de; DA CRUZ, E. S.; VARGAS, I. A. de. Dinâmica urbana e ambiental do parque “horto florestal” em Campo Grande – MS. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 4, n. 7, Edição Especial, p. 3893-3910, nov. 2018. Recuperado em 20 março, 2021, de https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/417

BENINI, S. M; MARTIN, E. S. Decifrando as áreas verdes públicas. Formação (Online), v.2, n.17., 2011. Recuperado em 20 abril 2020 de https://revista.fct.unesp.br/index.php/formacao/article/view/455

BORDESt, S. M. L. et al. Questão ambiental urbana: reserva ecológica do CPA. Revista de Educação Pública (Cuiabá), 4 (5): 140-151, jan./jun. 1995.

BRASIL. (1998) Decreto nº 2.519, de 16 de março de 1998. Promulga a Convenção sobre Diversidade Biológica, assinada no Rio de Janeiro, em 05 de junho de 1992. Presidência da República Federativa do Brasil. Recuperado em 12 agosto 2020 de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D2519.htm>.

BRASIL. (1999) Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Recuperado em 12 agosto 2020 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 abr. 1999.

BRASIL. (2006) Resolução n.º 369, de 28 de março de 2006. Dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade pública, interesse social ou baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em Área de Preservação Permanente-APP. Recuperado em 12 agosto 2020 de http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=489

BRASIL. (2010) Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Recuperado em 12 agosto 2020 de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>.

BRONDIZIO, E. S; J. SETTELE, S. D; NGO H. T. (Org). (2019). Global assessment report on biodiversity and ecosystem services of the Intergovernmental Science-Policy Platform on Biodiversity and Ecosystem Services. IPBES secretariat, Bonn, Germany, 2019.

DIAS, G. F. Atividades interdisciplinares em Educação Ambiental: práticas inovadoras de Educação Ambiental. 2. ed. São Paulo: Gaia, 2006.

FAVARO, A. K. M. Do I.; ROSSIN, A. C. Parte II – Artigos. Saúde soc. 23 (1) • Jan-Mar 2014.

FERREIRA, L. I. E. P. Parque urbano. Paisagem e Ambiente, (23), p. 20-33, 2007.

IPIAÚ (BA). (2017). Cartório de Registro de imóveis, hipotecas, títulos e documentos, civil de pessoas jurídicas. Traslado e Escritura Pública de Aquisição de imóvel. Comarca de Ipiaú, BA. Registro em 04 de abril de 2017.

IPIAÚ. (2005). Lei complementar de 18 de setembro de 2002. Código Municipal de Meio Ambiente e Posturas. Ipiaú, Ba. 2005.

IPIAÚ. (2005) Lei n.1814, de 09 de maio de 2005. Plano diretor de desenvolvimento urbano. PDDU. Ipiaú Bahia: Portaria, 2005.

LEFF, Enrique. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

MACEDO, S. S. Quadro do paisagismo no Brasil. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial de São Paulo, 2002.

MACEDO, S. S.; SAKATA, F. G. Parques urbanos no Brasil. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial de São Paulo, 2002.

MAGALHÃES, L. M.; CRISPIM, A. A. Vale a pena plantar e manter árvores e florestas na cidade ciência? Ciência Hoje, v. 33, n. 193, p. 64-68, 2003.

MELAZO, G. C.; COLESANTI, M. T. M. Parques Urbanos: Importantes “espaços verdes” na dinâmica ambiental das cidades. Uberlândia. In: Anais do II Simpósio Regional de Geografia “Perspectivas para o cerrado no século XXI”, Universidade Federal de Uberlândia, 2003.

MELLO FILHO, L. E. de. Vegetação e espaço urbano. Boletim FBCN (Rio de Janeiro), 17: 5-15, 1982.

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de Estratégia. Porto Alegre: Artmed, 2000.

MONT'ALVERNE, T. C. F.; MATIAS, J. L. N. Reflexões acerca dos objetivos da convenção da biodiversidade. NOMOS: Revista do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFC, Fortaleza, v.30, n.1, 2010, p.179-196.

NUCCI, J. C. Qualidade ambiental e adensamento urbano: um estudo de ecologia e planejamento da paisagem aplicado ao distrito de Santa Cecília (MSP). 2ª ed. – Curitiba, 2008. 150 p.

FUNBEA. (S/D). O que entendemos por educação ambiental. Fundo Brasileiro de Educação Ambiental. Página inicial. Recuperado em 12 maio 2021 de https://www.funbea.org.br/educacao-ambiental

OLIVATTO, T.F. Using i-Tree Canopy to Estimate and Value Ecosystem Services of Air Pollutant Removal. In: Iano Y., Arthur R., Saotome O., Vieira Estrela V., Loschi H. (eds) Proceedings of the 3rd Brazilian Technology Symposium. BTSym 2017. Springer, Cham. 2019.

OLIVATTO, T. F.; STANGANINI, F. N.; MELANDA, E. A. (2019). Métodos de estimativa de porcentagem de cobertura arbórea urbana: um estudo comparativo no Parque Ibirapuera. p. 489-497. In: Anais do II Simpósio Nacional de Gestão e Engenharia Urbana. São Paulo: Blucher, 2019. ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/singeurb2019-68

OLIVEIRA, E. A. A importância das áreas verdes urbanas para a educação ambiental: o caso do horto florestal de Ipiaú (Bahia). Dissertação (Mestrado profissional em conservação da biodiversidade e desenvolvimento sustentável). IPÊ – Instituto de Pesquisas ecológicas. Uruçuca, 2019. 122p.

PÁDUA, S.; TABANEZ, M. (orgs). Educação ambiental: caminhos trilhados no Brasil. São Paulo: Ipê, 1998.

PINHEIRO, A.; PINHEIRO, D.; LUZ, E.; ARAÚJO, S. (2013). A Convenção da Biodiversidade e as Áreas Protegidas. In: CHAGAS, Marco Antonio (Org.) Biodiversidade e as áreas protegidas em diferentes escalas: do Zé colmeia ao açaí com tapioca. Macapá: Unifap, 2013. P. 07-16.

REIGOTA, M. A. O que é Educação Ambiental? 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2009.

REIGOTA, M. A. Educação Ambiental frente aos desafios apresentados pelos discursos contemporâneos sobre a natureza. Educação e Pesquisa. São Paulo, v.36, n.2, p. 539-553, 2010.

SAMPAIO, S. A. Caracterização física do município de Ipiaú-BA: Representação cartográfica como subsídio a análise ambiental. Revista de Geociências do Nordeste, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 34–53, 2019. DOI: 10.21680/2447-3359.2019v5n1ID15584. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/article/view/15584. Acesso em: 21 dez. 2023.

SEGURA, D. de S. B. Educação Ambiental na escola pública: da curiosidade ingênua à consciência crítica. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2001.

VARELLA, C. A. A.; PINTO, F. De A. De C.; QUEIROZ, D. M. De; SENA JÚNIOR, D. G. De. (2002). Manejo de Água e Solo • Rev. bras. eng. agríc. ambient. 6 (2), 2002.

Downloads

Publicado

2023-12-27

Como Citar

SANTOS, D. Q. P. dos; SOUSA, V. S. R.; SOUSA FILHO, H. R. Potencialidades e desafios para o uso sustentável do Horto Florestal urbano de Ipiaú – Bahia . Sertanias: Revista de Ciências Humanas e Sociais, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 1-32, 2023. DOI: 10.22481/sertanias.v4i2.14187. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/sertanias/article/view/14187. Acesso em: 21 jul. 2024.