Conhecendo histórias, analisando cenários: a experiência do CAT para formação de educadores do campo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/sertanias.v4i2.14209

Palavras-chave:

CAT, Educação do campo, Formação de professores

Resumo

O Projeto CAT – Conhecer, Analisar e Transformar – é uma metodologia específica de formação de educadores e coordenadores das escolas do campo para estudo da realidade e construção de políticas públicas de educação do campo. O primordial objetivo desse trabalho é realizar uma reflexão acerca da formação de professores do campo nos territórios de identidade do estado da Bahia, tendo como referência o Projeto CAT, que se constitui num processo de formação continuada de professores da rede pública municipal, que atuam em escolas do campo do Semiárido baiano, com o objetivo de projetar uma metodologia voltada para a realidade do campo e melhorar a qualidade de suas ações no contexto da educação do campo. Para essa compreensão apontou-se como problema de pesquisa como se construiu, historicamente, as identidades dos professores do campo? De que maneira os cursos de formação de professores podem contribuir para o processo de desenvolvimento crítico-emancipatório dos sujeitos do campo? Assim, este trabalho se justifica pela necessidade de compreender a formação do professor como o caminho para a materialização da Educação do Campo onde emerja uma escola divergente da que existe na realidade da área rural. Sua relevância se posta em possibilitar que a prática do projeto seja referência como abordagem metodológica de experiência vivenciada por aqueles que atuam no campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Araújo da Silva Ferraz, Instituto Federal Baiano

Mestrado em Educação e Diversidade – MPED pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB. Graduação em Letras com Inglês pela Universidade do Estado da Bahia, Pedagoga pela UNIFIEO e Graduada em Letras pela Faveni. Especialista em coordenação pedagogica (UCAM), Ensino de Língua inglesa (UCAM), EAD (UENB), Metodologia da LPLB (Uniasselvi), Educação Especial e Incluisva (Uniasselvi), Gestão do SUAS (Uniasselvi), Psicopedagogia (FARJ), Neuropsicopedagogia (INE). Professora de Linguagens do Ifbaiano. Tutora da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS e Coordenadora do CAEE de Retirolândia-BA. Membro do grupo de pesquisa FEL (Formação, Experiência e Linguagens) - UNEB e do Grupo Educação do Campo, Trabalho, Contra hegemonia e Emancipação Humana (GEPEC/Fel) - UNEB

João Francisco da Silva Netto, Secretaria de Educação do Estado da Bahia

Mestre em Planejamento Territorial – PLANTERR pela Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS; Especialista em Coordenação Pedagógica - ISEIBS; Especialista em Ensino de História pela Faculdade Cândido Mendes; Graduado em História pela Universidade do Estado da Bahia. Pós-graduando em Tecnologia e Inovações WEB Pelo Centro Universitário FAVENI. Atuou como formador territorial de gestores escolares das redes municipais e estadual do Estado da Bahia pelo Instituto Anísio Teixeira IAT/SEC-BA (período 2020/2022). Professor da rede estadual de ensino, atuando no Colégio Wilson Lins (Valente). Membro da Rede de proteção aos direitos da criança e adolescentes. Coordenador pedagógico da Escola Municipal Maurício Máximo em Retirolândia e Coordenador de Educação do Campo. Atuou no Movimento de Organização comunitária - MOC como animador social por 04 anos prestando serviço em programas da ASA em cidades do território do sisal. Assessor de gestão em políticas públicas e projetos sociais. Pesquisas sobre Políticas Públicas para mulheres do campo, educação do campo e movimentos sociais.

Referências

ARROYO, Miguel. Ofício de mestre: imagens e autoimagens. Petrópolis, 2004.

ARROYO, M. G. Currículo, território em disputa. Petrópolis, RJ. Vozes, 2011.

ALENCAR, M. F. dos S. Educação do campo e a formação de professores: construção de uma política educacional para o campo brasileiro. Ciência & Trópico, Recife, v.34, n. 2, p.207-226, 2010

BRASIL. MEC. CAMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA/CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Diretrizes operacionais para a educação básica nas escolas do campo. Resolução CNE/CEB n° 1, de 03 de abril de 2002. Brasília-DF: MEC/ SECAD/CNE.

BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.3494/96, de 20 de dezembro de 1996.

CARNEIRO. Vera Maria Oliveira. Educação do campo: construindo saberes e transformação social no território do sisal. Dissertação (Mestrado Multidisciplinar em Cultura, Memória e Desenvolvimento Regional), Programa de Pós-Graduação em Cultura, Memória e Desenvolvimento Regional, Universidade do Estado da Bahia, 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

MOC, Movimeto de Organização Comunitária. Uma educação que valoriza o povo do sertão. Disponível em https://www.moc.org.br/publicacao/experiencias/38/uma-educacao-que-valoriza-o-povo-do-sertao, acesso em 11/05/2021, às 10:51.

SILVA, Nelmira Moreira da et al. Formação de Professores, Educação Contextualizada e Extensão Universitária: A Experiência do Programa CAT. Revista Guará, n. 5, p. 41-53 2016. Disponível em https://periodicos.ufes.br/guara/article/view/14345/10089 Acesso em 11/05/2021, as 15:27.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa-Ação. São Paulo: Cortez,1985.

Downloads

Publicado

2023-12-27

Como Citar

FERRAZ, D. A. da S.; SILVA NETTO, J. F. da. Conhecendo histórias, analisando cenários: a experiência do CAT para formação de educadores do campo. Sertanias: Revista de Ciências Humanas e Sociais, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 1-11, 2023. DOI: 10.22481/sertanias.v4i2.14209. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/sertanias/article/view/14209. Acesso em: 17 jul. 2024.