NARRATIVAS MIDIÁTICAS SOBRE A SEXUALIDADE: EDUCAÇÃO, DIFERENÇAS E PROBLEMÁTICAS À FORMAÇÃO DOCENTE

Resumo

A sexualidade humana é um dos elementos que nos permite pensar a formação das identidades dos sujeitos e, considerando que a escola é um espaço em que estão presentes múltiplos indivíduos, com suas construções identitárias, este texto tem a seguinte questão norteadora: Quais as contribuições das narrativas midiáticas para problematizar as sexualidades no espaço escolar? Para tanto, apoiamos nossas reflexões teóricas a partir dos Estudos Culturais, por entende-los como um campo que analisa a mídia como um terreno de disputa, no qual os grupos sociais lutam pelo domínio. No decorrer do texto, defendemos a ideia de que, ao levarmos as narrativas midiáticas acerca das diferentes sexualidades para o espaço escolar, contribuímos para uma ação docente que valorize os diferentes alunos e alunas que habitam a sala de aula e, ainda, buscamos demonstrar isso por meio da análise de alguns personagens da série da Netflix, intitulada Sex Educacion (2019). Concluímos, assim, que a ação pedagógica com as mídias para discutir sexualidade, possibilita o processo de visibilidade dessas múltiplas formas de ser e estar no mundo, além de colaborar com uma formação de professores e professoras comprometidas com uma política cultural implica contemplem todos os alunos e as alunas em sala em suas dimensões sociais e sexuais.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professor do Departamento de História e do Mestrado Profissional em Ensino de História da Universidade Estadual de Maringá – Paraná. Pós-Doutor em História e Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM/PR). Pesquisador do Núcleo de Estudos Interdisciplinares Afro-Brasileiros da Universidade Estadual de Maringá – Paraná (UEM/PR).

Samilo Takara

Professor do Magistério Superior no Departamento de Educação da Fundação Universidade Federal de Rondônia, Campus Rolim de Moura/RO. Pós-doutor em Comunicação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL/PR). Doutor e mestre em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM/PR). Graduado em Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade Estadual do Centro-Oeste/PR (Unicentro/PR). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Estudos Culturais e Educação Contemporânea (GEPECEC/UNIR).

Referências

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz de. Amores que não têm tempo: Michel Foucault e as reflexões acerca de uma estética da existência homossexual. in: RAGO, Margareth (Org.). Dossiê Foucault e as Estéticas da Existência – Revista Aulas, Unicamp: Campinas, 2010. (41-58).

ANDRADE, Paula Deporte de. Pedagogias culturais – uma cartografia das (re)inveições do conceito. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS: Porto Alegre, 2016.

CANDAU, Maria Vera (org). Cultura(s) e educação: entre o crítico e pós-crítico. Rio de Janeiro: DP&A, 2005

COSTA, Marisa V. Mídia, magistério e política cultural. In: COSTA, Marisa V. Estudos Culturais em educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema. Porto Alegre, Ed. Universidade/UFRGS, 2000
FOUCAULT, Michel. Sexualidade e Poder. In: “Sei to Kenryoku” (Sexualidade e Poder; conferência na Universidade de Tóquio, em 20 de abril de 1978, seguida de um debate). Gendai-shisô, junho de 1978. (56-76).

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. A vida dos homens infames. In: FOUCAULT, Michel. Estratégia, poder-saber. Ditos e Escritos IV. Rio de Janeiro. Forense Universitária, 2003. (203-222).

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 22. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2006.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 19. ed. São Paulo: Loyola, 2009.

GIROUX, Henry A., os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

GIROUX, Henry A. Praticando Estudos Culturais nas Faculdades de Educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu (org.). Alienígenas na sala de aula. Uma introdução aos Estudos Culturais em Educação. 7. ed. Petrópoles/RJ: Vozes, 2008.

GOMES, Nilma Lino. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Organização do documento Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Pagel, Aricélia Ribeiro do Nascimento. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/indag4.pdf Acesso em 20 dez. 2010.

GUSMÃO, N. M. M. Linguagem, cultura e alteridade: imagens do outro. Cadernos de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas. São Paulo/Campinas, v. 107, n. 0, p. 15-21, 1999.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1997.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Trad. Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

JOVCHELOVITCH, Sandra. Os Contextos do saber: representações, comunidade e cultura. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia: estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. São Paulo: EDUSC, 2001.

KIMMEL, Michael S. A Produção simultânea de masculinidades hegemônicas e subalternas. Horizontes Antropológicos. Ano 4. n. 9. Porto Alegre/RS, 1998. p.103-117.

LARROSA, J. Tecnologías do eu e educação. In: SILVA, T. T. (org) O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1994

LOURO. Guacira. L. Gênero, sexualidade e educação. Petropóles: Vozes 2008.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da Sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. 2. reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. (7-34).

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho – ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

MOMBAÇA, Jota. Rumo a uma redistribuição desobediente de gênero e anticolonial da violência! In: PEDROSA, Adriano; MESQUITA, André. Histórias da sexualidade: antologia. São Paulo: MASP, 2017. (301-310).

PARKER, Richard. Corpos, prazeres e paixões: a cultura sexual no Brasil contemporâneo. São Paulo, Best Seller, 1991.

PRECIADO, Paul Beatriz. Testo Junkie. Sexo, drogas e biopolítica na era formacopornográfica. trad. Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1 edições, 2018.

PRECIADO, Paul B. O que é contrassexualidade? In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. (Org.). Pensamento Feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. (411-420).

PRECIADO, Paul B. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. (Org.). Pensamento Feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. (421-429).

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Trad. Carlos Guilherme do Valle. Bagoas – estudos gays e lésbicos. N. 5: UFRN: Natal, 2010. (17-44). Disponível em: < https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/2309>. Acesso em: 04 dez. 2018.

SÁEZ, Javier; CARRASCOSA, Sejo. Pelo cu: políticas anais. Trad. Rafael Leopoldo. Belo Horizonte/MG: Letramento, 2016.

SANTOS, Boaventura de Souza. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu. v. 28. n. 19 Campinas, 2007 (19-54). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n28/03.pdf. Acesso em: 09 jul. 2019.

SEFFNER, Fernando. A produção da diversidade e da diferença no campo do gênero e da sexualidade: enfrentamentos ao regime da heteronormatividade. In: KIRCHOF, Edgar Roberto; WORTMANN, Maria Lúcia; COSTA, Marisa Vorraber (Orgs.). Estudos Culturais & Educação: contingências, articulações, aventuras, dispersões. Canoas/RS: ULBRA, 2015. (243-256).

SILVA, Tomaz Tadeu da; HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 7 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

TAKARA, Samilo. Uma pedagogia bicha: homofobia, jornalismo e educação. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Maringá, 2017. Disponível em: http://www.ppe.uem.br/teses/2017/2017%20-%20Samilo%20Takara.pdf. Acesso em: 29 jun. 2019.

VIDARTE, Paco. Ética bixa: proclamações libertárias para uma militância LGBTQ. Trad. Maria Selenir Nunes dos Santos. São Paulo: n-1 edições, 2019.

WITTIG, Monique. O pensamento heterossexual. O pensamento hétero. 1980. Disponível em:. Acesso em: 20/01/2018.
Publicado
2020-04-01
Como Citar
FELIPE, Delton Aparecido; TAKARA, Samilo. NARRATIVAS MIDIÁTICAS SOBRE A SEXUALIDADE: EDUCAÇÃO, DIFERENÇAS E PROBLEMÁTICAS À FORMAÇÃO DOCENTE. Práxis Educacional, [S.l.], v. 16, n. 39, p. 138-160, abr. 2020. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6363>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i39.6363.