Sexualidade, biopoder e governo: acionamentos no projeto político pedagógico de um curso de medicina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v19i50.13166

Palavras-chave:

biopoder, formação medica, sexualidade

Resumo

Há mais de uma década o Brasil se mantém como o país que mais mata pessoas LGBTQIA+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgênero, Transexuais e Travestis, Queer, Intersexo, Assexuais +) e a violência se estende aos espaços de saúde, ocupado por profissionais que ainda fazem uma abordagem heterocisnormativa, demosntrando despreparo e preconceito. Partindo deste reconhecimento do presente, gostaria de voltar ao passado para investigar a cruzada moral promovida pelo saber médico na criação das normas da sexualidade humana e a presença de heranças desta invenção na formação médica na atualidade. Meu foco será a análise documental que governa as condutas acadêmicas, inspirada nas teorizações de Michel
Foucault. Mostrarei o contexto e modos como a sexualidade foi inventada, definida e situada entre o normal e o patológico pelos discursos médicos e, a partir disto, proponho identificar os corpos e sexualidades acionados neste PPC, que atua como manifestação do biopoder na formação médica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Fabíola Jundurian Bolonha, Universidade Federal de Campina Grande - Brasil

Doutora em Educação pela UFS. Docente do curso de Medicina na UACV/CFP/UFCG. Líder do grupo MedQueer - Contribuição de autoria: autora.

Referências

BRASIL, Ministério da Saúde/Ministério da Educação. Portaria Interministerial nº 610¸de 26 de maio de 2002. Institui o Programa Nacional de Incentivo a Mudanças Curriculares nos Cursos de Medicina (PROMED). Disponível em: http://www.pp.ufu.br/Port_Inter.htm Acesso em: 1 jul. 2023.

CALAZANS, Gabriela Junqueira; AMADOR, Salete Monteiro; BERETTA, Gláucia Renata; FIGUEIRA JUNIOR, Nelson; CAVALCANTI, Ana Lúcia. A experiência de implantação da Política de Saúde Integral para Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) no município de São Paulo. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, v.19, n.2, p. 105–115, 2018. Disponível em https://periodicos.saude.sp.gov.br/index.php/bis/article/view/34601. Acesso em: 1 jul. 2023.

CORADINI, Odaci. Luiz. A formação da elite médica, a Academia Nacional de Medicina e a França como centro de Importação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 1, n.35, p.3-22, 2005.

COSTA, Dayane. A. S.; SILVA, Roseli, F.; LIMA, Valéria, V.; RIBEIRO, Eliana, C. O. Diretrizes curriculares nacionais das profissões da Saúde 2001-2004: análise à luz das teorias de desenvolvimento curricular. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 22, n.67, p.1183–1195, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/icse/a/GZsw79s7SZGBXZ3QNBhNppn/?lang=pt. Acesso em: 1 jul. 2023.

FERNANDES, Marisa; SOLER, Luiza, D.; LEITE, Maria Cecília, B. P. Saúde das mulheres lésbicas e atenção à saúde: nem integralidade, nem equidade diante das invisibilidades. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, v.19, n.2, p. 37–46, 2018. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/index.php/bis/article/view/34590 Acesso em: 1 jul. 2023.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 02 de dezembro de 1970. 3. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. Dits et écrits. 1954-1988. Édition de Daniel Defert, François Ewald e Jacques Lagrange. Paris: Gallimard, 1994.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. 9ª ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2020.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade II: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2014.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 5ª ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2017.

FOUCAULT, Michel. O que são as Luzes. In: FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos II: arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala. Nanterre: ALLCA XX, Université de Paris, Sudamericana, 2002.

LIONÇO, Tatiana. Que direito à saúde para a população GLBT? Considerando direitos humanos, sexuais e reprodutivos em busca da integralidade e da eqüidade. Saúde E Sociedade, v. 17, n. 2, p.11–21, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sausoc/a/NdCpsvRwnJVYHZhSwRNhnfs/?lang=pt. Acesso em: 1 jul. 2023.

LOURO, Guacira. L. Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educação Em Revista, v. 46, p.201–218, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edur/a/5mdHWDNFqgDFQyh5hj5RbPD/?lang=pt Acesso em: 1 jul. 2023.

MEYER, Dagmar. E. A politização contemporânea da maternidade: construindo um argumento. Revista Gênero, v. 6, n. 1, p. 81-104, 2005.

MEYER, Dagmar. E. Abordagens pós-estruturalistas de pesquisa na interface educação, saúde e gênero: perspectiva metodológica. In: MEYER, D.E.; PARAISO, M.A. (org.) Metodologia de pesquisa pós- crítica em educação. 2.ed. Belo Horizonte: Mazza, 2014, p. 49-63.

MEYER, Dagmar. E.; KRUSE, Maria. H. L. Acerca de diretrizes curriculares e projetos pedagógicos: um início de reflexão. Revista Brasileira de Enfermagem [online]. v. 56, n. 4, p.335-339, 2003. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/61847. Acesso em: 1 jul. 2023.

OLIVEIRA, José Marcelo D.; MOTT, Luiz. (org.) Mortes violentas de LGBT+ no Brasil: relatório 2021. 1 ed. Salvador: Grupo Gay da Bahia, 2022.

OLIVEIRA, Luiz. S. Representação de sexualidade que orienta práticas educativas no Brasil desde o final do século XIX. 2007. Dissertação (Mestrado em Educação e Cultura Contemporânea). Rio de Janeiro: Universidade Estácio de Sá, 2007.

PARAÍSO, Marlucy. A. Raciocínios generificados no currículo escolar e possibilidades de aprender. In: LEITE, C. et al. (org.) Políticas, fundamentos e práticas do currículo. Porto: Porto Editora, 2011. p. 147-160.

ROHDEN, Fabíola. O império dos hormônios e a construção da diferença entre os sexos. História, Ciências, Saúde, Manguinhos, Rio de Janeiro, v.15, p. 133-152, 2008.

SANTOS, Pedro M. Profissão médica no Brasil. In: MACHADO, Maria.Helena (org). Profissões de saúde: uma abordagem sociológica [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1995. p. 97-117 Disponível em: https://books.scielo.org/id/t4ksj/pdf/machado-9788575416075-07.pdf Acesso em: 1 jul. 2023.

SILVA, Maria. P.; SOUZA, Nathan. M. Currículos de medicina no Brasil e em Cuba e a invenção de modos de ser médico. In: PARAÍSO, M. A.; SILVA, M. P. (org.). Pesquisas sobre currículos e culturas: tensões, movimentos e criações. 1.ed. Curitiba: Brazil Publishing, 2020, v. 1, p. 55-82.

UFCG. Universidade Federal de Campina Grande. Projeto Pedagógico do Curso de Medicina. Campina Grande: UFCG, 2017.

YARED, Yalin. B.; MELO, Sônia. M. M. de. Processos de educação sexual em cursos de medicina: reflexões sobre a construção do saber médico. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, v.10 (esp2), p. 1561–1582, 2015. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/8337 Acesso em: 1 jul. 2023.

Downloads

Publicado

2023-08-01

Como Citar

BOLONHA, F. J. Sexualidade, biopoder e governo: acionamentos no projeto político pedagógico de um curso de medicina. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 19, n. 50, p. e13166, 2023. DOI: 10.22481/praxisedu.v19i50.13166. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/13166. Acesso em: 23 maio. 2024.