O Planfor/BA no contexto das políticas de emprego do governo Fernando Henrique Cardoso

Autores

  • Maria Regina Filgueiras Antoniazzi Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Palavras-chave:

Trabalho, Qualificação, Emprego, Empregabilidade, Plano Estadual de Qualificação Profissional

Resumo

Este artigo tem como objetivo, analisar, à luz da Economia, da Sociologia do Trabalho, da Sociologia da Educação e dos dados empíricos produzidos pela avaliação externa do Planfor, sua trajetória na condição de “proposta de política pública ativa de emprego”, como o denominou o governo Cardoso. A análise concentra-se na discussão dos conceitos de emprego e de políticas públicas de emprego no Brasil dos anos de 1990, demonstrando duas questões fundamentais: 1) como a adoção da política macroeconômica do governo Cardoso implicou no deslocamento de ações de combate ao desemprego para uma questão técnica – a qualificação, que passa a ser o eixo central do Plano. Nesse sentido, o desemprego é visto pelo governo como uma questão de desqualificação do trabalhador para enfrentar um mercado com “novas formas” de trabalho; 2) as limitações da qualificação proposta pelo Ministério do Trabalho e Emprego, segundo o banco de dados produzido pela Faculdade de Educação (Faced) da Universidade Federal da Bahia (Ufba). O Planfor, portanto, é estudado com base na reconstituição de seus antecedentes históricos internos e externos, nas circunstâncias políticas, econômicas e sociais e nos fundamentos teóricos que permitiram a sua implementação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2005-08-01

Como Citar

ANTONIAZZI, M. R. F. . O Planfor/BA no contexto das políticas de emprego do governo Fernando Henrique Cardoso. Práxis Educacional, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 67-92, 2005. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/481. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê temático