A escola na berlinda: pesquisa documental e narrativas juvenis em foco

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.6854

Palavras-chave:

Jovens, Pesquisa documental , Trajetória escolar

Resumo

Este estudo propõe discutir o lugar que a escola ocupa na vida dos jovens matriculados nas turmas da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Trata-se de um estudo de caso realizado numa escola da rede municipal de Cabedelo, Paraíba. O Diário de Classe e a ficha-individual referentes aos anos de 2017 e 2018 bem como entrevista semi-estruturada, realizada com os alunos dos Ciclos III e IV da EJA, respaldam o trabalho empírico. Alguns resultados indicam que eles vão para as turmas da EJA, ou a isso são “obrigados”, frente à retenção e evasão escolar promovidas pela Escola. Os dados do Ciclo III, Turmas A e B, ano 2017 e a Turma “Única”, ano 2018, referidos ao desempenho escolar, a partir dos saberes de Português, Matemática, Geografia, Ciências, História, Inglês e Artes, apontam que, dos 112 alunos, a média é de 34 alunos aprovados. E os do Ciclo IV, contemplando os mesmos saberes, mostram uma média de 46,14 de aprovados, de 79 alunos matriculados nos anos 2017 e 2018. Conciliar escola e trabalho, experimentar turmas heterogêneas e apresentar baixo rendimento escolar são variáveis concretas que apontam para a complexidade dessas histórias escolares assimétricas, reativadas por trajetórias descontínuas na Educação Básica. As fontes documentais e as narrativas dos jovens mostram que o problema histórico da retenção e da evasão escolar é também o fracasso da escola, ao contribuir, especificamente, para os processos de exclusão e de desigualdades sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Antonio de Pontes Costa, Universidade Federal da Paraíba - Brasil

Doutorado em Educação pela Universidade Federal Fluminense. Professor Associado da Universidade Federal da Paraíba. Líder do Grupo de Pesquisa Psicologia Escolar, Formação e Infância: estudos sobre classes populares e educação pública.

Rosângela Lopes da Silva, Universidade Federal da Paraíba – Brasil

Especialista em Supervisão Escolar pela Universidade do Norte do Paraná. Pedagoga pela Universidade Federal da Paraíba. Membro do Grupo de Pesquisa Psicologia Escolar, Formação e Infância: estudos sobre classes populares e educação pública.

Referências

ABRAMO, Helena Wendel. Considerações sobre a tematização social da juventude no Brasil. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, nº 5/6, p. 25-36, 1997.
BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977, 229 páginas.
BAUMAN, Zygmunt. Sobre educação e juventude. Conversas com Riccardo Mazzeo. São Paulo: Zahar, 2013, 128 páginas.
BRASIL. Constituição (1988). Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.
BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1996.
BRASIL. Resolução nº 3, de 15 de junho de 2010. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos cursos e idade mínima para ingresso nos cursos de EJA; idade mínima e certificação nos exames de EJA; e Educação de Jovens e Adultos desenvolvida por meio da Educação a Distância e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, junho, 2010. Disponível em: <http://presidencia.gov.br>. Acesso em: 13 maio 2019.
CARMO, Gerson Tavares. (Org.). Sentidos da permanência na educação: o anúncio de uma construção coletiva. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2016, 260 páginas.
CASTRO, Mary Garcia. Política pública por identidades e de ações afirmativas. In: NOVAES, Regina; VANNUCHI, Paulo. (Orgs.). Juventude e Sociedade. Trabalho, Educação, Cultura e Participação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004, p. 275-302.
CONCEIÇÃO, Letícia Carneiro da. “A alternativa para o menino indesejável”: vozes e sujeitos na biopolítica da juvenilização da EJA. Trabalho apresentado no GT 18 – Educação de Pessoas Jovens e Adultas. Anais da 37ª Reunião Nacional da ANPEd. Florianópolis, Outubro de 2015. ISSN: 2447-2808. Disponível em: <http://www.anped.org.br/sites/default/files/trabalho-gt18-4629.pdf>. Acesso em: 03/06/2019.
DAYRELL, Juarez. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1105-1128, out. 2007. Acesso em: 17 de agosto de 2019. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br.
____; NOGUEIRA, Paulo Henrique de Queiroz.; MIRANDA, Shirley Aparecida de. Os jovens de 15 a 17 anos: características e especificidades educativas. In: Cadernos de Reflexões – Jovens de 15 a 17 anos no Ensino Fundamental. Brasília: Via comunicação, MEC/SEB, 2011, p.13-62.
FERNANDES, Rubem César. Segurança para viver: propostas para uma política de redução da violência entre adolescentes e jovens. In: NOVAES, Regina; VANNUCHI, Paulo. (Orgs.). Juventude e Sociedade. Trabalho, Educação, Cultura e Participação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004, p. 260-274.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002, 176 páginas.
GROSBAUM, Marta Wolak; FALSARELLA, Ana Maria. Condição juvenil: juventude e ensino médio no Brasil. Cadernoscenpec, São Paulo, v. 6, nº 2, p. 291-315, jul./dez. 2016.
HADDAD, Sérgio. Educação de Jovens e Adultos, direito humano e desenvolvimento humano. In: CATELLI JR, Roberto. (Org.). Formação e práticas na educação de jovens e adultos. São Paulo: Ação Educativa, 2017, p. 23-42.
JARDILINO, José Rubens Lima; ARAÚJO, Regina Magno Bonifácio de. (Orgs.). Educação de Jovens e Adultos. Sujeitos, saberes e práticas. São Paulo: Cortez, 2014, 213 páginas.
LARROSA, Jorge. Tecnologias do Eu e Educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu. (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. 6. ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2008, p. 35-86.
LEÃO, Geraldo Magela Pereira. Políticas de juventude e Educação de Jovens e Adultos: tecendo diálogos a partir dos sujeitos. In: SOARES, Leôncio; GIOVANETTI, Maria Amélia; GOMES, Nilma Lino. (Orgs.). Diálogos na educação de jovens e adultos. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007, p. 69-86.
LINHARES, Célia Frazão Soares. Trabalhadores sem trabalho e seus professores: um desafio para a formação docente. In: ALVES, Nilda. (Org.). Formação de professores: pensar e fazer. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2004, p. 9-36.
MELUCCI, Alberto. Juventude, tempo e movimentos sociais. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, nº 5/6, p. 5-14, 1997.
PAIVA, Jane. Direito à educação: permanecer na escola é um problema público? In: CARMO, Gerson Tavares do. (Org.). Sentidos da permanência na educação: o anúncio de uma construção coletiva. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2016, p. 99-116.
SODRÉ, Muniz. Reinventando a educação. Diversidade, descolonização e redes. 2. ed. Petrópolis/RJ: 2012, 279 páginas.
TEIXEIRA, Eliane de Oliveira. A “fabricação” do jovem da EJA: reflexões sobre juvenilização e diversidade étnico-racial. Educação em Debate, Fortaleza, ano 40, nº 75, p. 25-42, jan./abr. 2018.

Downloads

Publicado

2021-07-01

Como Citar

COSTA, E. A. de P.; SILVA, R. L. da. A escola na berlinda: pesquisa documental e narrativas juvenis em foco . Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 46, p. 1-23, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i46.6854. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6854. Acesso em: 26 set. 2021.