Barreiras atitudinais sob a ótica de estudantes com deficiência no ensino superior

Autores

  • Disneylândia Maria Ribeiro
  • Alfredo Macedo Gomes

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxis.v13i24.927

Palavras-chave:

Barreiras atitudinais, Ensino Superior, Estudante com deficiência

Resumo

O texto tem como objetivo analisar as barreiras atitudinais encontradas por estudantes com deficiência nas interações socioeducacionais com docentes e discentes nos cursos de graduação do Campus Avançado Profa. Maria Elisa de Albuquerque Maia/UERN. A abordagem metodológica adotada é de cunho qualitativo a partir da análise do discurso. A construção dos dados empíricos deu-se por meio dos seguintes procedimentos: visita e levantamento de dados e informações junto à Diretoria de Políticas e Ações Inclusivas da UERN; observações não estruturadas e anotações de campo sobre o cenário e os sujeitos envolvidos na pesquisa; entrevistas semiestruturadas com nove estudantes com deficiência matriculados nos cursos de graduação do referido campus. Os resultados evidenciam que as barreiras atitudinais presentes na interação entre discentes com e sem deficiência expressam as percepções sociais em torno da deficiência, a deficiência associada a déficit, diferença, desvio. Na relação pedagógica, referidas barreiras se manifestam por meio do pseudotratamento igualitário em sala de aula, no qual se desconsidera as especificidades educacionais dos discentes com deficiência, negando-lhes a adequação de metodologia e recursos didáticos. À guisa de conclusão, sugere que a inclusão educacional no ensino superior depende sobremaneira da adoção de atitudes positivas e da implementação de práticas antidiscriminatórias, de forma a reduzir barreiras na aprendizagem e combater preconceitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Downloads

Publicado

2016-12-06

Como Citar

RIBEIRO, D. M.; GOMES, A. M. Barreiras atitudinais sob a ótica de estudantes com deficiência no ensino superior. Práxis Educacional, [S. l.], v. 13, n. 24, p. 13-31, 2016. DOI: 10.22481/praxis.v13i24.927. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/927. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos