As atuais políticas curriculares para a juventude brasileira: mudança de rumos ou continuidade dos processos?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/redupa.v2.11956

Palavras-chave:

políticas curriculares, juventude, BNCC, ensino médio

Resumo

O presente texto apresenta análises da configuração que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e do Novo Ensino Médio tiveram nos contextos escolares, desvelando se de fato apontam mudanças de rumos na formação para a juventude, alvo dessa etapa da Educação Básica ou continuidade dos processos. Como fontes de coleta de dados foram utilizados a pesquisa documental e bibliográfica sobre o objeto de pesquisa e questionários com espaço livre para as narrativas dos sujeitos da pesquisa. Depreende-se, pois, das narrativas dos sujeitos participantes dessa investigação, os seguintes sentidos para a BNCC e o NEM: importação de políticas educacionais, marginalização dos propósitos sociais da educação, mecanismo de controle do Estado, políticas para competitividade econômica, processos de regulação, racionalidade financeira, intensificação do trabalho docente, precarização do ensino, exclusão e segregação dos alunos menos favorecidos socialmente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonor Gorete Soares Azevedo Silva, Colégio Estadual Petronílio da Silva Prado - Brasil

Mestra em Educação pela Universidad Europea Del Atlântico (2019). Professora no Colégio Estadual Petronílio da Silva Prado de Pindai-BA. 

Eliara Cristina Nogueira da Silva Teixeira, Colégio Estadual Petronílio da Silva Prado - Brasil

Mestra em Educação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (2016). Professora do Ensino Médio no Colégio Estadual Petronílio da Silva Prado em Pindaí-BA; Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Didática, Formação e Trabalho Docente (DIFORT - UESB) e Formadora de Duplas Gestoras no Plano de Formação Continuada Territorial do IAT/SEC – BA.

Referências

BALL, Stephen J. Subject departments and the “implementation” of National Curriculum policy: an overview of the issues. Journal of Curriculum Studies, London, v. 24, n. 2, p. 97-115, 1992.

BALL, Stephen J. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem fronteiras, Porto Alegre, v. 1, n. 2, p. xxvii-xliii, 2001.

BALL, Stephen J. Big policies/small world: an introduction to international perspectives in education policy. Comparative Education, v. 34, nº 2, p. 119-130, 1998.

BITTENCOURT, Jane. A Base Nacional Comum Curricular: uma análise a partir do Ciclo de Políticas - Formação de professores: contexto, sentido e Práticas. IV Seminário Internacional de Representações Sociais, Subjetividade e Educação - SIRSSE. IV Seminário Internacional sobre Profissionalização Docente (SIPD/ CÁTEDRA UNESCO), 2017.

BITTENCOURT, Jane (2017). A Base Nacional Comum Curricular: uma análise a partir do ciclo de políticas. XIII EDUCERE. 2017. Eixo – Políticas públicas e gestão da educação (Congresso). Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/24201_12678.pdf Acesso em: 15 ago. 2019.

BRASIL. INEP (2018). Saeb 2017 revela que apenas 1,6% dos estudantes brasileiros do Ensino Médio demonstraram níveis de aprendizagem considerados adequados em Língua Portuguesa. Portal do INEP, 30 de agosto de 2018. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/saeb-2017-revela-que-apenas-1-6-dos-estudantes-brasileiros-do-ensino-medio-demonstraram-niveis-de-aprendizagem-considerados-adequados-em-lingua-portug/21206. Acesso em 15 de ago de 2019.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE | 2017. V.4.3.36. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/

BRASIL. Lei N.º13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2017/lei-13415-16-fevereiro-2017-784336-publicacaooriginal-152003-pl.html. Acesso em: 12 mar. 2017.

BRASIL. Lei Nº 13.415/2017 de 16 de fevereiro de 2017. Brasília, DF: Ministério Da Educação, 2017.

CANDAU, Vera Maria. (Org.). Educação intercultural e cotidiano escolar. Rio De Janeiro: 7 Letras, 2006.

CANDAU, Vera Maria. (Org.). Sociedade, educação e cultura(s): questões e propostas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

CANDAU, Vera Maria. Cotidiano escolar e práticas interculturais. Cadernos de Pesquisa, v.46, n. 161, p. 802-820, jul./set. 2016.

CANDAU, Vera Maria. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 37, p. 45-56, 2008.

CANDAU, Vera Maria. Interculturalidade e Educação Escolar. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Reinventar a escola. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

CERVI, Gicele Maria. Política de gestão escolar na sociedade de controle. Rio de Janeiro: Achiamé, 2013.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. 18ª ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

COELHO, Wilma de Nazaré Baía; BRITO, Nicelma Josenila Costa de; SILVA, Carlos Aldemir Farias da. Sociabilidades adolescentes e grupos juvenis: relações raciais na escola. Revista Educação em Páginas, Vitória da Conquista, v. 1, p. e11116, 2022. DOI: 10.22481/redupa.v1.11116. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11116. Acesso em: 20 set. 2022.

COELHO, Wilma de Nazaré Baía; BRITO, Nicelma Josenila Costa de. dez anos da Lei n. 10.639/2003 e a formação de professores e relações raciais em artigos (2003/2013): um tema em discussão. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 16, n. 39, p. 19-42, 2020. DOI: 10.22481/praxisedu.v16i39.6358. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6358. Acesso em: 20 set. 2022.

FLEURI, Reinaldo Matias (Org.). Educação intercultural: mediações necessárias. Rio de Janeiro: Dp&A, 2003.

FLEURI, Reinaldo Matias. Desafios à educação intercultural no Brasil: culturas diferentes podem conversar entre si? In: III Seminário De Pesquisa Em Educação Da Região Sul. Anais. Porto Alegre: UFRGS/Anped-Cdrom, 2000a, P. 1-15.

FLEURI, Reinaldo Matias. O Que Significa Educação Intercultural. In: FLEURI, R. M. Educação para a diversidade e cidadania. Módulo 2: Introdução Conceitual – Educação para a Diversidade e Cidadania. Florianópolis: Mover/Nup/Ced/ Ead/UFSC, 2009.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Trad. Sandra Netz. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do saber. 7. Ed. Rio De Janeiro: Forense Universitária, 2008a.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, Pronunciada em 2 de Dezembro de 1970. 24. Ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

FREITAS, Helena Costa Lopes de. A nova política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1203-1230, out. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a2628100. Acesso em: 21 jun. 2017.

GARCIA, Maria Manuela Alves; ANADON, Simone Barreto. Reforma educacional, intensificação e autointensificação do trabalho docente. Educação e Sociedade. Campinas, V. 30, N. 106, P. 63-85, Jan./Abr. 2009. Disponível Em: Http://Www.Cedes.Unicamp.Br. Acesso Em 25/02/2019.

JALLADE, Jean-Pierre, Secondary education in Europe: main trends. Paris: BID, Meeting of the Regional Policy Dialogue, Education and Training of Human Resources Network. 2000.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin W. A. Entrevista narrativa. In: BAUER, Martin; GASKELL, George (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Trad. Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis: Vozes, 2014, P. 90-113.

LEÃO, Geraldo. A quem interessa a Base Nacional Comum Curricular? [Online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2016 [viewed 08 September 2019]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2016/09/06/a-quem-interessa-a-base-nacional-comum-curricular/

LEONTIEV, Alexis. O desenvolvimento do psiquismo. 2. Ed. São Paulo: Centauro, 2004.

LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira de; TOSCHI, Mirza Seabra. Educação Escolar: Políticas, Estrutura e Organização. 10. Ed. Ampliada. São Paulo: Cortez, 2012.

LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira de; TOSCHI, Mirza Seabra. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. 10. ed. ampliada. São Paulo: Cortez, 2014.

LOPES, Alice Casimiro. Identidades pedagógicas projetadas pela reforma do ensino médio no Brasil. In: MOREIRA, Antônio Flavio, MACEDO, Elizabeth (orgs.). Currículo, práticas pedagógicas e identidades – v. 1. Porto: Porto, p. 93-118. 2002.

LOPES, Alice Casimiro. Políticas de currículo: mediação por grupos disciplinares de ensino de ciências e matemática. In: LOPES, Alice Casimiro, MACEDO, Elizabeth (orgs.). Currículo de ciências em debate. Campinas: Papirus, p. 45-75. 2004.

MACEDO, Elisabeth. “A base é a base”. E o currículo o que é? In: AGUIAR, M. A. da S.; DOURADO, L. F. (orgs.) A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: Anpae, p. 28-33. 2018.

MACEDO. Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: a falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. Educação em Revista. Belo Horizonte. V.32, n.02, p. 45-67. Abril-Junho, 2016.

MALINOWISKI, Bronislaw. Objeto, método e alcance desta pesquisa. In: GUIMARÃES, A. Zaluar (Org.). Desvendando máscaras sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO anuncia Política Nacional de Formação de Professores. Brasília: Mec, 2017. (53 min.), son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=lRtt9lynL2M. Acesso em: 18 ago. 2018.

MOREIRA, A. F.; CANDAU, V. M. Educação Escolar e Culturas: Construindo Caminhos. Revista Brasileira de Educação, N. 23, P. 156-168, maio/ago, 2003.

MOREIRA, A.F.; CANDAU, V.M.(Orgs.). Multiculturalismo: Diferenças Culturais E Práticas Pedagógicas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. Regulação educativa na América Latina: repercussões sobre a identidade dos trabalhadores docentes. Educação em Revista, Belo Horizonte, UFMG, n. 44, p. 209-227, dez. 2006.

PACHECO, José. A Finlândia e a Base Nacional não servem para nada. Nova Escola, 05 de set. de 2019. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/18295/a-finlandia-e-a-base-nacional-nao- servem- para-nada-diz-jose-pacheco. Acesso em: 09 de set. de 2019.

SAMPAIO, Maria das Mercês Ferreira; MARIN, Alda Junqueira. Precarização do trabalho docente e seus efeitos sobre as práticas curriculares. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p.1203-1225, Set./Dez. 2004.

SANTOS. Amarildo Inácio dos. O Novo Ensino Médio: Análise do discurso da Lei Nº 13.415/2017 a partir de Michel Foucault. In: Análise do discurso na contemporaneidade: cartografias discursivas. Rio de Janeiro: BONECKER, 2018.

YIN, Robert K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.

Downloads

Publicado

2023-01-25

Como Citar

SILVA, L. G. S. A.; TEIXEIRA, E. C. N. da S. As atuais políticas curriculares para a juventude brasileira: mudança de rumos ou continuidade dos processos?. Revista Educação em Páginas, Vitória da Conquista, v. 2, p. e11956, 2023. DOI: 10.22481/redupa.v2.11956. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11956. Acesso em: 13 jun. 2024.