O GLOBAL E O LOCAL NA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO EMANCIPATÓRIA PARA O ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA E AFRO-BRASILEIRA

Resumo

O objetivo deste artigo é refletir sobre possibilidades da formação de professores em uma perspectiva de educação crítica e emancipatória. Parte-se de práticas de pesquisa realizadas pela Licenciatura e pelo Núcleo Interdisciplinar de Estudos Africanos e Afro-Brasileiros da Universidade Federal do Maranhão, que se voltam ao continente africano, especialmente Moçambique, na África Austral;e a intervenções junto à Educação Básica em escolas públicas da capital maranhense. O fio condutor é o debate da relação entre escalas global e local na produção de conhecimento e formas de intervenção no mundo, na qual são constituídos espaços subalternos de poder, saber e modos de fazer, característico do atual momento de globalização contemporânea. Nessa perspectiva, reflete-se sobre a inserção do conhecimento local nos currículos de Moçambique e suas possíveis contribuições para a implementação da Lei nº 10.639/2003 no Brasil, uma vez que partem da mesma necessidade de romper com a lógica do currículo único e eurocêntrico.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Educação: Currículo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP);Professora da Licenciatura Interdisciplinar em Estudos Africanos e Afro-Brasileiros da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) – Brasil; Membro do Núcleo Interdisciplinar em Estudos Africanos e Afro-brasileiros (NIESAFRO- UFMA) e do Núcleo de Estudos Afrobrasileiros (NEAB- UFMA).

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), Professora da Licenciatura Interdisciplinar em Estudos Africanos e Afro-Brasileiros da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) – Brasil; Membro do Núcleo Interdisciplinar em Estudos Africanos e Afro-brasileiros (NIESAFRO- UFMA) e do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (NEAB- UFMA). E

##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Geografia, Universidade Federal do Ceará (UFC); Professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) - Brasil; Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia; Membro do Núcleo Interdisciplinar em Estudos Africanos e Afro-brasileiros (NIESAFRO) e do Grupo de Estudos: Desenvolvimento, Modernidade e Meio Ambiente (GEDMMA).

Referências

AGÊNCIA ANGOLA PRESS. Moçambique: Governo diz que CPLP deve abrir-se à globalização. ANGOP, 6 abr. 2017. Disponível em: http://m.portalangop.co.ao/angola/pt_pt/noticias/africa/2017/3/14/Mocambique-Governo-diz-que-CPLP-deve-abrir-globalizacao,07e50098-d476-47f3-995b-3bf48c358d70.html. Acesso em: 16 jun. 2019.
BRASIL. Lei Nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. .Brasília:Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, [2003]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.639.htm. Acesso em: 16 jun. 2019.
BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC/SEPPIR, 2004.
BRASIL. Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: SECAD, SEPPIR, 2009.
BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola. Brasília: MEC/SECADI, SEB, CNE/CEB, 2012.
BASÍLIO, Guilherme. Os saberes locais e o novo currículo do ensino básico. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação: Currículo) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Universidade Pedagógica de Moçambique, São Paulo, Maputo, 2006.
CASTIANO, José. Condições e possibilidades de “legitimação” dos saberes locais/endógenos. In: BASÍLIO, Guilherme; CAPECE, Jó António. (orgs.). O Currículo Local: teoria e prática. Maputo; Educar UP, 2017. p. 49-80.
CASTIANO, José. Os saberes locais na academia – condições e possibilidades da sua legitimação. Maputo: Editora Educar/CEMEC/Universidade Pedagógica, 2013.
CASTRO, Iná Elias de. O problema da escala. In: CASTRO, Iná Elias de; GOMES, Paulo Cesar da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato. Geografia, conceitos e temas. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000. p. 117-140.
CRUZ, Valter do Carmo. Geografia e pensamento descolonial: notas sobre um diálogo necessário para a renovação do pensamento crítico. In: CRUZ, Valter do Carmo; OLIVEIRA, Denílson Araújo de Oliveira. (orgs.). Geografia e giro descolonial. Experiências, ideias e horizontes de renovação do pensamento crítico. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2017. p. 15-36.
FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1968.
FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.
FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.
GIROUX, Henry A. Pedagogia crítica, Paulo Freire e a coragem para ser político. Revista e-Curriculum, São Paulo, v.14, n.1, p. 296-306, jan./mar.2016.
HABTE, Aklilu; WAGAW, Teshome; AJAYI,J. F. Ade. Educação e mudança social. In: MAZRUI, Ali A.; WONDJI, Christophe. (orgs.). História Geral da África – África desde 1935.2.ed.São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, 2011.v. VIII. p. 817-841.
HARVEY, David. Espaços de Esperança. Tradução Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Edições Loyola, 2004.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira. 2018. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101629.pdf. Acesso em: 15 fev. 2019.
KATZ, Cindi. Capitalismo vagabundo e a necessidade da reprodução social. Tradução Gilberto Cunha Franca e Valeria Fontes. GEOUSP espaço e tempo, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 435-452, 2019. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2019.158736
LANDER, Edgardo (org.).A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. (Perspectivas latino-americanas). Buenos Aires: ColecciónSurSur, CLACSO, 2005.Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2591382/mod_resource/content/1/colonialidade_do_saber_eurocentrismo_ciencias_sociais.pdf. Acesso em: 4 out.2019
MAPARA, Jacob. Indigenous Knowledge Systems in Zimbabwe: Juxtaposing Postcolonial Theory. The Journal of Pan African Studies, v. 3, n. 1, p.139-155, set. 2009. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/228427362_Indigenous_Knowledge_Systems_in_Zimbabwe_Juxtaposing_Postcolonial_Theory. Acesso em: 13 set. 2019.
MARX, Karl. O Capital: Crítica da economia política. Livro I: O processo de produção do capital. Tradução Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.
MOÇAMBIQUE. Ministério da Educação e Cultura/Instituto Nacional do Desenvolvimento da Educação. Plano Curricular do Ensino Básico - Objectivos, Política, Estrutura, Plano de Estudos e Estratégias de Implementação. 2003. Disponível em: http://www.mec.gov.mz/DN/DINEP/Documents/PCEB.pdf. Acesso em: 18 nov. 2018.
NHALEVILO, Emilia Zulmira Afonso. Currículo Local: uma oportunidade para emancipação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v.11 n.1, p. 23-34, abr.2013.
PAIXÃO, Marcelo. 500 anos de solidão – estudos sobre desigualdade raciais no Brasil. Curitiba: Appris, 2013.
QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. (Perspectivas latino-americanas). Buenos Aires: Colección Sur Sur, CLACSO, 2005. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2591382/mod_resource/content/1/colonialidade_do_saber_eurocentrismo_ciencias_sociais.pdf. Acesso em: 4 out.2019
QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder e Classificação Social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina SA, 2009. p. 73-118.
REGIS, Kátia Evangelista; NERIS, Cidinalva Silva Câmara. Licenciatura em Estudos Africanos e Afro-Brasileiros: formação de professores/as em direção à construção da justiça curricular. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 17, n. 3, p. 990-1014, 2019. DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2019v17i3p990-1014
SACRISTÁN, J. Gimeno. O que significa o currículo? In: SACRISTÁN, J. Gimeno. (org.).Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 16-35.
SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2010.
SANTOS, Milton. A natureza do espaço. Técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: HUCITEC, 1996.
SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. São Paulo: HUCITEC, 1994.
SANTOS, Milton. Espaço e sociedade. Petrópolis: Vozes, 1982.
SANTOS, Milton. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. São Paulo: EDUSP, 2004
SENGULANE, Hipólito Francisco Moisés Salomão. Ensino de História no nível primário do 2º grau em Moçambique: um enfoque crítico pedagógico sobre os programas e sistema de avaliação da aprendizagem. 2004. Tese (Doutorado em Educação: Currículo) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.
SOJA, Edward W. Geografias Pós-Modernas. A reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.
UFMA. Universidade Federal do Maranhão. Docentes dos Estudos Africanos finalizam trabalho de campo em Moçambique. ASCOM, 29 maio 2019. Disponível em: https://portais.ufma.br/PortalUfma/paginas/noticias/noticia.jsf?id=54240. Acesso em: 5 out. 2019.
UFMA. Universidade Federal do Maranhão. Resolução CONSEPE n° 1657, de 24 de outubro de 2017. Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura Interdisciplinar em Estudos Africanos e Afro-Brasileiros, modalidade presencial, no Campus São Luís. 2017. Disponível em: http://www.ufma.br/portalUFMA/arquivo/wVQMLFNrDQEImEo.pdf. Acesso em: 5 out. 2019.
UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Década Internacional de Afrodescendentes. 2014. Disponível em: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/prizes-and-celebrations/2015-2024-international-decade-for-people-of-african-descent/. Acesso em: 10 out. 2019.
Publicado
2020-04-01
Como Citar
REGIS, Kátia Evangelista; NERIS, Cidinalva Silva Câmara; RODRIGUES, Sávio José Dias. O GLOBAL E O LOCAL NA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO EMANCIPATÓRIA PARA O ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA E AFRO-BRASILEIRA. Práxis Educacional, [S.l.], v. 16, n. 39, p. 91-114, abr. 2020. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6361>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i39.6361.