As disputas no campo da política da educação infantil no contexto da pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/poliges.v2i1.8268

Palavras-chave:

Covid-19, Educação infantil, Política educacional

Resumo

A Educação Infantil se situa nas encruzilhadas postas pela situação de distanciamento social provocada pela Covid-19: esta pandemia tornou pública sua centralidade como política de promoção do desenvolvimento da primeira infância e, ao mesmo tempo, colocou a pesquisa e a Pedagogia em estado de mobilização nacional pelos direitos dos bebês e crianças sem ferir os princípios basilares conquistados com a luta dos movimentos de mulheres nos últimos cinquenta anos. Ao completarmos um ano desde o fechamento dos prédios escolares, é necessário avaliar quais articulações foram possíveis para construir uma política de Educação Infantil inteiramente singular com vistas a reposicionar as relações entre famílias e escolas no compartilhamento do cuidado e educação dos bebês e crianças. É a partir desses objetivos que dialogamos neste texto sobre as disputas e embates que permeiam a gestão da política de Educação Infantil nos Territórios de Identidade Sertão Produtivo e Velho Chico, na Bahia, a partir de estudo realizado pelo Observatório da Infância e Educação Infantil (ObEI), da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). As disputas no campo das políticas públicas apresentam convergências e divergências na implementação e proposição de ações após o fechamento das escolas e a adesão ao funcionamento remoto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eugênia da Silva Pereira, Universidade do Estado da Bahia

Doutoranda em Educação (UFMG). Professora na Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Educação – Campus de Guanambi, Bahia. Membro do Núcleo de Estudo, Pesquisa e Extensão Educacional Paulo Freire (NEPE) e do Observatório da Infância e Educação Infantil (ObEI). E-mail: eniagbi@hotmail.com

 

Elenice de Brito Teixeira Silva, Universidade do Estado da Bahia

Doutora em Educação. Professora na Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Educação - Campus de Guanambi, Bahia. Coordenadora do Observatório da Infância e Educação Infantil (ObEI) dos Territórios Sertão Produtivo e Velho Chico – BA. E-mail: elenteixeira@yahoo.com.br

Jany Rodrigues Prado, Universidade do Estado da Bahia

Mestra em Educação (UESB). Professora na Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Educação – Campus de Guanambi, Bahia. Membro do Núcleo de Estudo, Pesquisa e Extensão Educacional Paulo Freire (NEPE), do Observatório da Infância e Educação Infantil (ObEI) e do Grupo de Pesquisa Didática, Formação e Trabalho Docente (DIFORT), Cooedenadora pedagógica da Rede Municipal de Ensino de Guanambi-BA.

Referências

ALVES, Antonia Almeida. CARMO, Eliane Fátima Boa Morte do. FRANCO, Nanci Helena Rebouças. Percepções de crianças negras para além do contexto da pandemia da COVID-19: o que temos a aprender com isso?. In.: SANTOS, Marlene Oliveira dos (org). Educação Infantil em tempos de pandemia. Salvador: EDUFBA, 2021(p. 207-222)

ANJOS, Cleriston Izidro dos. PEREIRA, Fabio Hoffmann. Educação Infantil em tempos de pandemia: outros desafios para os direitos, as políticas e as pedagogias das infâncias. Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 23, n. Especial, p. 3-20, jan./jan., 2021.

ANJOS, Cleriston Izidro dos. FRANCISCO, Deise Juliana Francisco. Educação Infantil e Tecnologias Digitais: reflexões em tempos de pandemia. Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 23, n. Especial, p. 3-20, jan./jan., 2021.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Trad: Mauro W. Barbosa. 8a. Ed. São Paulo: Perspectiva, 2016. Texto original de 1954.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO (ANPEd). Educação à Distância na Educação Infantil, não! Rio de Janeiro, 20 abr. 2020.

BARBOSA, Ivone Garcia. SOARES, Marcos Antônio. Educação Infantil e pobreza infantil em tempos de pandemia no Brasil: existirá um “novo normal”? Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 23, n. Especial, p. 35-57, jan./jan., 2021.

BARROS, Manoel de. Memórias inventadas. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2018.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: 1990.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n. 05, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, 2010.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP nº 5/2020 do Conselho Nacional de Educação (CNE), que aprovou orientações com vistas à reorganização do calendário escolar e à possibilidade de cômputo de atividades não presenciais, para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da pandemia do novo coronavírus - Covid-19.

BRASIL. Ministério da Saúde. Rede Nacional de Dados em Saúde. Brasília: MS/Departamento de informática do Sistema Único de Saúde do Brasil, 2021.

CAMPOS, M. M. et al. Para um retorno à escola e à creche que respeite os direitos fundamentais de crianças, famílias e educadores. ANPEd, maio 2020.

COSTA, Sinara Almeida da. Relação família-escola na Educação Infantil: reflexões em tempos de pandemia. In.: SANTOS, Marlene Oliveira dos (org). Educação Infantil em tempos de pandemia. Salvador: EDUFBA, 2021. (p. 145-154)

COUTINHO, Ângela Scalabrin. CÔCO, Valdete. Educação Infantil, políticas governamentais e mobilizações em tempos de pandemia. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 15, p. 115, jul. 2020.

GOMES, Nilma Lino. Raça e Educação Infantil: à procura de justiça. In.: Revista e-Curriculum. São Paulo, v.17, n.3, p. 1015-1044 jul./set. 2019. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/curriculum/article/view/44232. Acesso em 15 mar. 2021.

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA. Decreto nº 19.529 de 16 de março de 2020. Salvador, 2020.

KRENAK, Ailton. O amanhã não está à venda. Reflexões metamorfoses – diálogos virtuais. Jornal Outras Palavras, edição de 23 de dezembro de 2020. Disponível em: https://outraspalavras.net/crise-civilizatoria/krenak-o-amanha-nao-esta-a-venda/ Acesso em 01 de março de 2021.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Arte & Ensaios, n. 32, Universidade Federal do Rio de Janeio, dez. 2016.

ROSEMBERG, Fúlvia. A criança pequena e o direito à creche no contexto dos debates sobre infância e relações raciais. In.: BENTO, Maria Aparecida Silva(ORG.). Educação infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais. São Paulo: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades - CEERT, 2012. (p. 11 -p. 46).

SANTOS; Marlene Oliveira dos. VARANDAS, Daniela Nascimento. Políticas Públicas, professores da Efucação Infantil e pandemia da Covid-19. In.: SANTOS, Marlene Oliveira dos (org). Educação Infantil em tempos de pandemia. Salvador: EDUFBA, 2021(p. 31-48).

TEIXEIRA, Adriana Moreira Pimentel et al. Infâncias e Educação Infantil durante a Pandemia: Diálogos de pesquisa [livro eletrônico]. Caetité - BA: Observatório da Infância e Educação Infantil - UNEB, 2020. PDF.

TEIXEIRA, Adriana Moreira Pimentel et al. Proposições para a educação infantil durante (e após) a pandemia [livro eletrônico]: por uma proposta pedagógica que respeite os direitos dos bebês e crianças. 1. Ed. Caetité - BA: Observatório da Infância e Educação Infantil - UNEB, 2020. PDF.

Downloads

Publicado

2021-05-11

Como Citar

PEREIRA, E. da S. .; SILVA, E. de B. T.; PRADO, J. R. As disputas no campo da política da educação infantil no contexto da pandemia. Revista de Políticas Públicas e Gestão Educacional (POLIGES), [S. l.], v. 2, n. 1, p. 166-186, 2021. DOI: 10.22481/poliges.v2i1.8268. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/poliges/article/view/8268. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos