Moçambique e suas complexidades educacionais: tensões e resistências nos processos de educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v18i49.10602

Palavras-chave:

resistência, memória, Moçambique

Resumo

Este artigo problematiza as discussões sobre tensões e resistências nos processos de educação moçambicana, buscando compreender como tais processos se fazem presentes nos múltiplos espaços e tempos históricos, tendo em conta as complexidades que caracterizam o país. A expressão espaçotempo é usada neste trabalho para compreender que não podemos separar essas dimensões ao tentar entender o cotidiano, tratando espaço tempo de forma não dicotomizada. Em termos metodológicos, adotou-se o materialismo histórico, de origem marxista. Para tal, elencou-se como categorias do método e de análise: contradição, hegemonia e ideologia. Nos procedimentos metodológicos, recorreu-se em primeiro lugar, a pesquisa bibliográfica, investigando as ideias de diversos autores e pesquisadores que abordam o assunto, e em segundo lugar, a pesquisa de campo, em que se realizou a coleta de dados através de entrevista-semiestruturada. Por último, fez-se uma síntese das ideias dos autores e dos sujeitos da pesquisa, acrescentando outras ideias, articuladas com os objetivos e as questões da pesquisa. Trata-se de uma pesquisa qualitativa da história oral, pautada nas possibilidades de produzir conhecimento sobre como os sujeitos em múltiplos espaçostempos se tornam/aram leitores e escritores. Constituiu-se como fontes orais, as memórias de 15 narradores, mediados por vestígios do passado e por desejos do futuro, que ressignificam a história da educação em Moçambique. Os resultados da pesquisa despontam a re-existência de diferentes contextos em que ocorrem as práticas pedagógico-educativas e a forma como os sujeitos os percebem e estabelecem suas relações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Arlindo Cornélio Ntunduatha Juliasse, Universidade Rovuma - Moçambique

Doutor em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação (ProPed) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Professor na Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Rovuma (UniRovuma), Nampula-Moçambique.

Referências

ALBERTI, Verena. Histórias dentro da História. In: PÍNSKY, Carla Bassanezi (comp.). Fontes históricas. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2005. p.155-202.

ALVES, Nilda; OLIVEIRA, Inês Barbosa de (org.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. São Paulo: DP et Alii, 2008.

BENJAMIN, Walter. O narrador. In: BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política: ensaios sobre literatura e história da escrita. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012. p. 214.

CASTIANO, José. Paulino; NGOENHA, Severio Elias; GURO, Manuel. O barómetro, educação básica em Moçambique: estudo piloto sobre a qualidade da educação. Maputo: ISOED, 2012.

CHAUÍ, Marilena. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CHIZIANE, Mariana; MARTINS, Paulina. Ngoma Yethu: o Curandeiro e o Novo Testamento. 2. ed. Maputo: Matiko Editora, 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. 17. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GRAÇA, Pedro Borges. O projeto pessoal e político de Eduardo Mondlane. In: CONGRESSO INTERNACIONAL SABER TROPICAL EM MOÇAMBIQUE: HISTÓRIA, MEMÓRIAS E CIÊNCIAS, 2012, Lisboa. Atas [...]. Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa, 2012.

MACHEL, Samora. Estudemos e façamos dos nossos conhecimentos um instrumento de libertação do povo. p. 3. Maputo: Frelimo, Departamento de Trabalho Ideológico, 1977.

MOÇAMBIQUE. CONSELHO DE MINISTROS DE MOÇAMBIQUE. Estratégia nacional de alfabetização e educação de adultos de Moçambique. Maputo, 2011.

MOÇAMBIQUE. REPÚBLICA POPULAR DE. Lei 4/83. Maputo, I Série Nr. 12, março de 1983.

MORIN, Edgar; CIURANA, Emilio-Roger; MOTTA, Raúl Domingo. Educar na era planetária: O pensamento complexo como método de aprendizagem pelo erro e incerteza humana. São Paulo: Cortez; Brasília DF: Unesco, 2003.

MORIN, Edgar. O método 5: a humanidade da humanidade. Tradução: Juremir Machado da Silva. 5. ed. Porto Alegre: Sulina, 2012.

MACHEL, Samora Moisés. A Revolução é Irreversível. Tempo, Maputo, n. 390, Caderno Especial, p. 31-37, 26 mar. 1978.

MONDLANE. Eduardo. Lutar por Moçambique. Lisboa: Livraria Sá da Costa Ed.,1975.

SANFELICE, Jose Luis.. História e Historiográfica de Instituições Escolares. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.35, p. 192-200, set.2009.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, Boaventura de Sousa; SILVA; Teresa Cruz e. Moçambique e a reinvenção da emancipação social. Maputo: Centro de Formação Jurídica e Judiciaria. 2004.

SANTOS, Boaventura de Sousa , "Nuestra América: reinventando un paradigma", Casa de las Américas, 237, 7-25, 2004.

SANTOS, Boaventura de Sousa; SILVA; Teresa Cruz (org.). Moçambique e a reinvenção da emancipação social. Maputo: Centro de Formação Jurídica e Judiciaria, 2004.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para Além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos 79, Nov. 2007.

Downloads

Publicado

2022-11-16

Como Citar

JULIASSE, A. C. N. Moçambique e suas complexidades educacionais: tensões e resistências nos processos de educação. Práxis Educacional, [S. l.], v. 18, n. 49, p. e10602, 2022. DOI: 10.22481/praxisedu.v18i49.10602. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/10602. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

Seção Temática