Reelaboração de foreground: orquestrando futuro com os professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v19i50.11858

Palavras-chave:

docente, futuro, aprender

Resumo

Este artigo estuda o conceito de foreground presente na literatura e reflete sobre a reelaboração de foreground do docente, principalmente os aspectos que os mobilizam a ensinar e a aprender. A análise possui como base o entendimento de que ensinar necessita de aprendizagens constantes, em que o docente se permita interpretar as vivências, as realizações, os desejos, os sonhos, bem como as angústias, as barreiras e as frustrações. O suporte teórico é acompanhado por autores como Biotto Filho (2015); Nóvoa (2016, 2022); Skovsmose (1994, 2006, 2007, 2008, 2014, 2018); Tessaro e Bernardi (2019). Evidencia-se que reelaborar foreground, na observação de fatores internos (dimensão subjetiva) e externos (dimensão social), permite ao ser humano aprender ter desejo, dar sentido e significado à sua vida pessoal e profissional, enfim suas concepções, horizontes e visões de futuro. Perpassando as caracterizações de foreground e colocando-os no contexto vivido da docência, pode-se identificar situações importantes, as quais remetem a reflexões e questionamentos de lugares que possibilitam a esse docente reelaborar seus foregrounds de forma coletiva e, em especial, em um “lugar” chamado formação continuada. Por fim, infere-se que reelaborar foregrounds de docentes envolve refletir a maneira como uma pessoa interpreta as possibilidades e perspectivas presentes em seu contexto, compreendendo os desejos para o futuro, com objetividade, sendo fundamentais para suas ações e atitudes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Juliane Claudia Piovesan, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Brasil

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI, Mestre em Educação pela Unisinos. Professora da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI - Brasil. Contribuição de autoria: participação em todas as etapas do estudo e da escrita do manuscrito. 

 

Lucí dos Santos Bernardi, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Brasil

Doutora em Educação Científica e Tecnológica e Mestre em Educação pela UFSC. Professora pesquisadora do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI - Brasil. Contribuição de autoria: participação em todas as etapas do estudo e da escrita do manuscrito. 

Referências

APOLINÁRIO, Vladinei; BERNARDI, Lucí dos Santos. Os conceitos estruturantes de foreground sob as lentes da pesquisa brasileira. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 3, p. 1-20, 6 jun. 2021. DOI: 10.26843/rencima.v12n3a37 . Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/2909. Acesso em: 10 jan. 2022.

BACKGROUND. In: DICIO, Dicionário Online de Português. Disponível em: https://www.dicio.com.br/background/. Acesso em: 15 jan. 2022.

BIOTTO FILHO, Denival. Quem não sonhou em ser um jogador de futebol? Trabalho com projetos para reelaborar foregrounds. 2015. 234 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista,

Rio Claro, 2015.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática. Elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

IMBERNÓN, Francisco. Formação continuada de professores. Tradução: Juliana dos Santos Padilha. Porto Alegre: Artmed, 2010.

NASCIMENTO, Carolina Azevedo França do. Nós enquanto nós: aprendizagem por projetos e educação crítica. 2018. 227 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino em Educação Básica) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

NÓVOA, António. Cinco pontos para qualificar a formação docente. Centro de Referências em Educação Integral, publicado em 29/07/2016, por Ana Luíza Basílio. Disponível em: http://educacaointegral.org.br/reportagens/veja-cinco-pontos-para-qualificar-formacao-docente-segundo-antonio-novoa/. Acesso em: 16 fev. 2022.

NÓVOA, António. Escolas e professores – proteger, transformar, valorizar. Salvador: SEC/IAT, 2022.

SCHÖN, Donald. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Tradução: Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SKOVSMOSE, Ole. Towards a philosophy of critical mathematics education. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1994.

SKOVSMOSE, Ole. Foreground dos educandos e a política de obstáculos para aprendizagem. In: RIBEIRO, José Pedro Machado et al. (org.). Etnomatemática: papel, valor e significado. 2. ed. Porto Alegre: Zouk, 2006. p. 103-122.

SKOVSMOSE, Ole. Educação crítica: incerteza, matemática, responsabilidade. São Paulo: Cortez, 2007.

SKOVSMOSE, Ole. Um convite à educação matemática crítica. Campinas, São Paulo: Papirus, 2014.

SKOVSMOSE, Ole. Interpretações de significado em educação matemática. Bolema. Rio Claro, v. 32, n. 62, p. 764-780, dez. 2018. DOI: 10.1590/1980-4415v32n62a01

Disponível em: https://www.scielo.br/j/bolema/a/ZjCDBBqhjvJXQ5vHrjkSC3R/?lang=pt. Acesso em: 20 jan. 2022.

SKOVSMOSE, Ole. Desafios da reflexão em educação matemática crítica. Campinas: Papirus. 2008.

SKOVSMOSE, Ole; ALRØ, Helle; VALERO, Paola; SCANDIUZZI, Pedro Paulo. “Antes de dividir temos que somar”: ‘entre-vistando’ foregrounds de estudantes indígenas. Bolema, Rio Claro, v.34, 2009, p. 237-262. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/3306. Acesso em 13 de jul. 2022.

SKOVSMOSE, Ole; SCANDIUZZI, Pedro Paulo; VALERO, Paola; ALRØ, Helle. A aprendizagem matemática em uma posição de fronteira: foregrounds e intencionalidade de estudantes de uma favela brasileira. Bolema, Rio Claro, v. 26, n. 42a, p. 231-260, abr. 2012. DOI: 10.1590/S0103-636X2012000100011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/bolema/a/DGFDG8ffWwJNbWJ6DR4nGdN/?format=html. Acesso em: 25 jan. 2022.

TESSARO, Mônica. Jovens olhares sobre a escola: vivências dos processos educativos a partir do background e do foreground. 2018. 166 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), Chapecó, 2018.

TESSARO, Mônica; BERNARDI, Lucí dos Santos. O futuro pode ter muitos nomes: significando o foreground. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 15, n. 36, p. 415-432, 2019. DOI: 10.22481/praxisedu.v15i36.5898. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5898. Acesso em: 20 jan. 2022.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Tradução: Lívia de Oliveira. São Paulo: Difel, 2014.

Downloads

Publicado

2023-03-13

Como Citar

PIOVESAN, J. C.; BERNARDI, L. dos S. Reelaboração de foreground: orquestrando futuro com os professores . Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 19, n. 50, p. e11858, 2023. DOI: 10.22481/praxisedu.v19i50.11858. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/11858. Acesso em: 18 jun. 2024.