PEDAGOGIA CRÍTICA: TRANSFORMAÇÕES NOS SENTIDOS E NAS PRÁTICAS EMANCIPATÓRIASs

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i42.6299

Palavras-chave:

Pedagogia Crítica, Emancipação, Teorias critico-reprodutivistas

Resumo

Este artigo deve ser compreendido como um ensaio teórico e tem por perspectiva triangular criticamente pesquisas anteriores da autora, em diferentes espaços educativos, para fundamentar quer a epistemologia da pedagogia como teoria crítica, quer as possibilidades da práxis desta pedagogia. Para tanto, parte do conceito de ideologia proposto por Chauí e por meio deste conceito articula reflexões dos pressupostos da teoria crítica, com base em Adorno e Habermas, buscando evidenciar a síntese epistemológica de Paulo Freire na estruturação dos fundamentos da Pedagogia Crítica. Neste caminhar estabelece contrapontos com as teorias “críticas” da reprodução de Bourdieu, Passeron, Baudelot e Estabelet, Althusser e, por meio de triangulações entre os autores e a práxis educativa, reflete os sentidos de emancipação nos tempos atuais, buscando encontrar subsídios para a seguinte questão de pesquisa: pode a Pedagogia Crítica oferecer fundamentos para a construção de processos emancipatórios?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Amélia do Rosário Santoro Franco, Universidade Católica de Santos – Brasil

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), Pós-doutora em Pedagogia, na UFS. Professora/pesquisadora Universidade Católica de Santos. PPGE/UNISANTOS. Líder do Grupo de Pesquisa: Práticas Pedagógicas Pesquisa e Formação. Pesquisador 2 CNPq.

Referências

ADORNO, Theodor Ludwig Wiesengrund. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Theodor Adorno, Max Horkheimer. Rio de Janeiro: Zahar, 1985. Tradução de: Guido Antônio de Almeida

ADORNO, Theodor Ludwig Wiesengrund. Educação e emancipação. Rio de Janeiro, 3ª edição, Editora: Paz e Terra, 1995. Tradução de: Wolfgang Leo Maar.

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos do estado. Biblioteca Ciências Sociais, Rio de Janeiro.1992.

BAUDELOT, Christian; ESTABLET, Roger. La escuela capitalista. 10. ed. México: Siglo XXI, 1987.

BOURDIEU, Pierre.; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria de ensino. 3. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Tradução Bruno Magne. Porto Alegre: Artmed, 2000.

CHARLOT, Bernard. A mistificação pedagógica: realidades sociais e processos ideológicos na teoria da educação. São Paulo: Cortez. 2013.

CHARLOT, Bernard. Relação com o saber, formação dos professores e globalização: questões para educação hoje. Porto Alegre, Artmed, 2005.

CHAUÍ, Marilena. Ideologia e Educação. Educ. e Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 1, p. 245-257, jan/mar. 2016.

FRANCO, M.A. ; MOTA G; e SILVA, L. Pedagogia crítica: por uma epistemologia crítica e insurgente. No prelo. 2020

FREIRE, Paulo. Conscientização. São Paulo: Cortez, 1984.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 54ª ed. Rio de Janeiro. Paz e Terra. 1997.

FREIRE, Paulo. Política e educação. São Paulo: Cortez.1993.

GIROUX, Henry. Pedagogia Radical. Subsídios. São Paulo, Cortez. 1983.

GIROUX, Henry. Teoria crítica e resistência em educação: para além das teorias de reprodução. Petrópolis: Vozes, 1986.

GIROUX, Henry. Theory & resistance in education: a pedagogy for the opposition. GIROUX. Henry. Entrevista. Maio 2019. Disponível em <https://brasil.elpais.com/brasil/2019/05/09/internacional/1557407024_184967>. Acesso em 23/08 de 2019.

GIROUX, Henry. Theory and Resistance in Education: A Pedagogy for the Opposition. Amherst: Begin &Garvey.London. 1983.

HABERMAS, Jürgen. Connaissance et intérêt. Paris: Gallimard, 1987.

HABERMAS, Jürgen. Técnica e ciência como ideologia. São Paulo. UNESP, 2014. Tradução de: Felipe Gonçalves da Silva.

HABERMAS, Jürgen.Teoría de la acción comunicativa: complementos y estudios previos. Madrid: Catedra, 2001. Tradução de. Manuel Jiménez Redondo

LAVAL/DADOT. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Boitempo. 2016.

MARX, K.: IN: SCHIMIED- KOWARZIK. Práxis e responsabilidade. EDUPUCRS. 2002. P.49

MELO, Rurion. Teoria Crítica e os sentidos da emancipação. Cad. CRH, Salvador, v.24, n.62 Salvador, maio-agosto 2011, p.249-262.

MORROW, Raymond. e TORRES, Carlos .Alberto. Jurgen Habermas, Paulo Freire e pedagogia Crítica: novas orientações para a educação comparada. Educação, Sociedade e Culturas. n. 10. 1998, p. 123-155. Centro de Investigação e Intervenção Educativas (CIIE) da Universidade do Porto. Portugal.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Editores associados, 2013.

SILVA, Antonio. J. Pedagogia Crítica e contra Educação. Coimbra: Quarteto editora, 2002.

Downloads

Publicado

2020-10-01

Como Citar

Franco, M. A. do R. S. (2020). PEDAGOGIA CRÍTICA: TRANSFORMAÇÕES NOS SENTIDOS E NAS PRÁTICAS EMANCIPATÓRIASs. Práxis Educacional, 16(42), 423-439. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i42.6299