Racismo institucional, branquitude e gestão reativa seletiva: desafios para a implementação de ambiente universitário afirmativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v19i50.12047

Palavras-chave:

estudantes negros/as, racismo institucional, branquitude, gestão reativa seletiva, colonialidade de poder/saber

Resumo

Os/as estudantes de camadas populares e negros/as ingressantes nas universidades públicas no contexto das políticas afirmativas vêm desempenhando um papel fundamental para a transformação destas instituições, uma vez que indagam os perfis social e étnico-racial do corpo discente, a organização institucional e, principalmente, as matrizes curriculares. E como a gestão universitária tem atuado para garantir os direitos educacionais plenos a esses públicos? Este artigo objetiva analisar como o racismo institucional e a branquitude identificados em discursos de gestores e gestoras de uma universidade federal favorecem um modelo de gestão que reage seletivamente às exigências legais e às demandas apresentadas pelos estudantes negros e negras, mantêm a colonialidade de poder/saber e dificultam a efetivação de um ambiente universitário afirmativo, o qual transcende as políticas de acesso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Yone Maria Gonzaga, Universidade Federal de Minas Gerais - Brasil

Doutora e Mestra em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais-UFMG; Professora Colaboradora no Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional Educação e Docência da Faculdade de Educação da UFMG, Membro do Grupo de Pesquisa CNPq Infâncias e Educação: concepções e práticas no ensino fundamental de Tempo Integral. Contribuição de autoria: autora.

Referências

BENTO, Cida. O pacto da branquitude. São Paulo: Companhia das Letras, 2022.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 15 set. 2022.

BRASIL. Lei 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2012. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em 22 set. 2022.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: https://repositorio.usp.br/item/001465832 Acesso em: 04 nov. 2022.

CARVALHO, José Jorge de; VIANNA. Letícia Costa Rodrigues. O encontro e saberes nas universidades: uma síntese dos dez primeiros anos. Revista Mundaú, 2020, n. 9, p. 23-49. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/revistamundau/article/view/11128 Acesso em: 15 set. 2022

COSTA, Hilton. 1891: escravidão, liberdade, privilégios e tradição. In: Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional, 8., 2017, Porto Alegre. Anais [...] Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), 2017. Disponível em http://www.escravidaoeliberdade.com.br/ Acesso em: 01 out. 2022.

GATTI, Bernadete Angelina; SHAW, Gisele Soares Lemos; PEREIRA, Jocilene Gordiano Lima Tomaz. Perspectivas para formação de professores pós pandemia: um diálogo. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v.17, n.45, p.511-535, abr./jun, 2021. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8361 Acesso em: 28 nov. de 2022.

GOMES, Joaquim Benedito Barbosa. Ação afirmativa e princípio constitucional da igualdade. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

GOMES, Nilma Lino; JESUS, Rodrigo Edneilson de; ALVES, Aline Neves Rodrigues. As escolas e suas práticas. In: GOMES, Nilma Lino (org.) Práticas pedagógicas de trabalho com relações étnico-raciais na escola na perspectiva da Lei 10.639/2003. 1.ed., Brasília: MEC; Unesco, 2012, p. 73-80.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

GOMES, Nilma Lino. Vivemos um momento de democracia em risco e de ataques às Ciências e aos movimentos sociais. In: APUBHUFMG. Entrevista. 11 de fevereiro de 2022. Disponível em: https://apubh.org.br/acontece/entrevista-nilma-lino-gomes-vivemos-um-momento-de-democracia-em-risco-e-de-ataques-as-ciencias-e-aos-movimentos-sociais/ Acesso em: 31 ago. 2022.

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira. O silêncio: um ritual pedagógico a favor da discriminação racial nas escolas públicas de 1º grau. 1985. 342 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1985.

GONZAGA, Yone Maria. Gestão universitária, Diversidade étnico-racial e Políticas Afirmativas: o caso da UFMG. 2017. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 92/93, p. 69-82, (jan./jun.), 1988.

GUEDES, Marilde Queiroz; ANJOS, Ana Paula S. P.; ROSA, Eliara Marli. Formação Humana na aridez dos tempos: desafios para o currículo dos cursos de graduação. Muiraquitã: Revista de Letras e Humanidades, [S.l.], v. 8, n. 1, 2020. DOI: 10.29327/210932.8.1-23. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/mui/article/view/3445. Acesso em: 15 set. de 2022.

IPEAFRO. Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros. Personalidades. Abdias Nascimento. Rio de Janeiro, [2017]. Disponível em https://ipeafro.org.br/personalidades/abdias-nascimento/ Acesso em: 20 set. 2022.

MACHADO, Vanessa. Lei de Cotas no ensino superior e racismo institucional: conhecendo o trâmite legislativo da lei 12.711/2012. 1ª. ed. Jundiaí: Paco Editorial, 2020. 216p.

MAYORGA, Cláudia; SOUZA, Luciana Maria de. Ação afirmativa na universidade: quando ruídos se tornam vozes. In: MAYORGA, Claudia (org.) Universidade cindida, universidade em conexão: ensaios sobre a democratização da universidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010, p. 01-19.

MIRANDA, Eduardo. O corpo território & Educação decolonial: proposições afro-brasileiras na invenção da docência. Salvador: EDUFBA, 2020.

NASCIMENTO, Abdias. Povo negro: a sucessão e a Nova República. Rio de Janeiro: IPEAFRO, 1985.

NASCIMENTO, Gabriel. Racismo linguístico: os subterrâneos da linguagem e do racismo. Belo Horizonte: Letramento, 2019.

ONU. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração e Plano de Ação de Durban-África do Sul. 2001. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/150033-declaracao-e-plano-de-acao-de-durban-2001 Acesso em: 20 set. 2021.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. 2005. Disponível em https://www.undp.org/pt/brazil. Acesso em 10 ou. de 2022.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO: Ciudad Autónoma de Buenos Aires, setembro 2005. p. 107-130.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do Poder e Classificação Social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa e MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Almedina SA, 2009, p.23-72.

RISTOFF, Dilvo. O novo perfil do campus brasileiro: uma análise do perfil socioeconômico do estudante de graduação. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Supeiro, Campinas; Sorocaba, v. 19, n. 3, 2014. DOI:10.1590/S1414-40772014000300010. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/avaliacao/article/view/2058 Acesso em: 01 nov. 2022.

ROSEMBERG, Fúlvia. Prefácio. In: MAYORGA, Claudia. (org.) Universidade cindida, universidade em conexão: ensaios sobre a democratização da universidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. p. 11-14.

RUFINO, Luiz. Exu e a Pedagogia das Encruzilhadas, Rio de Janeiro. In: Seminário dos Alunos PPGAS-MN/UFRJ. Rio de Janeiro, 2016. ISSN: 2359-0211. Disponível em: http://www.seminariodosalunos.com/wp-content/uploads/2017/03/RUFINO-Luiz.-Exu-e-a-pedagogia-das-encruzilhadas.pdf/ Acesso em: 10 dez. 2022.

SANT’ANNA, Wania. A importância da Conferência de Durban. In: IBASE. Notícias. Rio de Janeiro, 5 de outubro de 2020. Disponível em https://ibase.br/2020/10/05/a-importancia-e-a-contemporaneidade-da-conferencia-de-durban/noticias/ Acesso em: 20 set. 2022.

SANTOS. Karina Pereira dos. “Tudo que nóis tem é nóis”: continuidades históricas do Movimento Negro e do Movimento de Mulheres Negras nas resistências coletivas ao epistemicídio na UFMG. 2021. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Psicologia) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, 2021.

SANTOS, Antonio Bispo dos. Colonização, Quilombos. Modos e Significações. UnB/INCT: Brasília, 2019

SANTOS, Adilson Pereira dos. Gestão universitária e a Lei de Cotas. Curitiba: Appris, 2020.

SOUZA, Celina. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, v.8, n.16, 2008. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/5605. Acesso em: 12 dez. de 2022.

UFMG. Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG. Relatório de Gestão, Belo Horizonte: UFMG, 2015.

WALKER, Sheila S. (org.). Conhecimento desde dentro: os afro-sulamericanos falam de seus povos e suas histórias. Rio de Janeiro: Kitabu, 2018. 642 p.

Downloads

Publicado

2023-02-03

Como Citar

GONZAGA, Y. M. Racismo institucional, branquitude e gestão reativa seletiva: desafios para a implementação de ambiente universitário afirmativo . Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 19, n. 50, p. e12047, 2023. DOI: 10.22481/praxisedu.v19i50.12047. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/12047. Acesso em: 20 jun. 2024.