DA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR AO ESTÁGIO: OS DIFERENTES OLHARES SOBRE A PRODUÇÃO CIENTÍFICA NA AMÉRICA LATINA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rpe.v16i43.6838

Palavras-chave:

América Latina, Estágio Supervisionado, Formação inicial de professores

Resumo

Este estudo guiou-se pela questão: O que diz a produção científica desenvolvida nos países da América Latina sobre as concepções e critérios da formação inicial de professores e do estágio nos cursos de licenciaturas? Teve-se como objetivo: fazer um levantamento nos Bancos de busca sobre a formação inicial de professores e o estágio; Conhecer e analisar a produção científica sobre a formação inicial de professores e o estágio dos cursos de licenciaturas no período de 2009 a 2019; Mapear as concepções e os critérios da formação inicial de professores e do estágio dos cursos de licenciaturas nos países da América Latina. A investigação é de cunho qualitativo, apoiada aos procedimentos metodológicos da pesquisa documental utilizando-se o software STArt, para obtenção das fontes e a hermenêutica crítica como analise. Deste levantamento obteve-se que o estágio supervisionado obrigatório, nas licenciaturas, já apesenta traços que mensuram o desenvolvimento dessa atividade formativa associada à pesquisa, embora sem nenhuma regularidade no Plano pedagógico dos cursos. Em contrapartida a analise nos permite ver que o estágio vem sendo realizado, predominantemente, pela racionalidade técnica, visto que é mais evidente a ausência de prática formativa docente conectada com a pesquisa enquanto elemento estruturante da formação. Considera-se que a formação docente necessita de políticas educacionais capazes de estruturar e estabelecer condições para que o estágio ocorra via pesquisa anuindo um cenário formativo em que professores formadores e em formação se atraiam pelo ato de se constituírem como sujeitos do conhecimento, mas com posturas epistemológicas que lhes permitam entender e compreender os processos formativos e a construção da identidade profissional docente na lógica cognitiva e humanitária.

Biografia do Autor

Evandro Ghedin, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Professor Titular-Livre da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Possui Pós-doutorado em Didática pela Faculdade de Educação da USP (2010). É Doutor em Filosofia da Educação pela USP (2004). Mestre em Educação pela UFAM (2000). Especialista em Antropologia da Amazônia pela UFAM. Especialista em Filosofia e Existência pela Universidade Católica de Brasília (UCB). Graduado em Filosofia pela UCB (1995). Professor Permanente no PPGECEM - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC). Professor Permanente no PPGE-UFAM. Professor Permanente no PGEDA - Doutorado em Educação na Amazônia - EDUCANORTE. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação em Ciências, atuando principalmente nos seguintes temas: Didática e Formação de Professores; Metodologia da Pesquisa em Educação; Epistemologia; Educação em ciências; Filosofia da Educação. Atuou na Educação Básica da Rede Pública e Privada por 5 anos.

Maria Leogete Joca da Costa, Universidade Federal de Roraima – Brasil

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM); Professora da Universidade Federal de Roraima (UFRR), Brasil; Integrante do Laboratório de Neurodidática e Formação de Professores.

Patrik Marques dos Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas – Brasil

Doutorando em Educação em Ciência e Matemática no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Rede Amazônica em Educação em Ciências e Matemática (Reanec); Professor no Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Amazonas (IFAM) – Brasil.

Referências

CAIMI, Flávia Eloisa. A aprendizagem profissional do professor de história: desafios da formação inicial. Fronteiras, Dourados, MS, v. 11, n. 20, p. 27-42, jul./dez. 2009. Disponível em; http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/FRONTEIRAS/article/view/352. Acesso em 20 DE MAIO DE 2020.
CALDERANO, Maria da Assunção. O estágio curricular e docência compartilhada: na perspectiva do realismo. 1.ª ed. Curitiba. Appris, 2017.
DOURADO, L. F. Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica: novas diretrizes e perspectivas. Comunicação & Educação, a. 21, n. 1, p. 29, 2016.
FREIRE, Ana Maria. Concepções orientadoras do processo de aprendizagem do ensino de estágios pedagógicos. Colóquio: modelos e práticas de formação inicial de professores, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Lisboa. Lisboa, Portugal, 2001. Disponível em http://www.educ.fc.ul.pt/recentes/mpfip/pdfs/afreire.pdf. Acesso em 02 de janeiro de 2020.
GATTI, Bernadete Angelina; BARRETO, Elba Siqueira de Sá. Professores no Brasil: impasse e desafios. Brasília: Unesco, 2009. P. 294.
GATTI, Bernardete et al., Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília, UNESCO: 2019. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/search/3729ae6b-f73a-457a-8a65-bad95098af50. Acesso em 27 de dezembro de 2020.
GHEDIN, E. A articulação entre estágio-pesquisa na formação do professor-pesquisador e seus fundamentos. In: BARBOSA, R. L. L. (Org.). Formação de educadores: artes e técnicas – ciências e políticas. São Paulo: UNESP, 2006
GHEDIN, Evandro, OLIVEIRA, Elisangela S. de; ALMEIDA, Whasgthon A. de Almeida. Estágio com pesquisa. São Paulo: Cortez, 2015.
GIMENES, Camila Itikawa, O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) e a formação de professores de Ciências Naturais: possibilidade para a práxis na formação inicial?. São Paulo: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2016. Disponível em http://flacso.org.br/files/2017/07/CAMILA_ITIKAWA_GIMENES.pdf. Acesso em 03 de janeiro de 2020.
GRANVILLE, M. A. (Org.). Teorias e práticas na formação de professores. In: Sala de aula: ensino e aprendizagem. 2. ed. Campinas: Papirus, 2008. p. 67.
HABERMAS, J. (1982). Conocimiento e interés. Madrid: Taurus Ediciones, S. A. (Trabalho original em alemão publicado em 1968).
LISTON, D. P., ZEICHNER, K. M. Teacher education and the social conditions of schooling. New York, NY: Routledge, 1991.
PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria do Socorro Lucena. Estágio e Docência. 7.ª ed. São Paulo. São Paulo. Cortez, 2014.
PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria do Socorro Lucena. Estágios supervisionados e o Programa de Bolsa de Iniciação à Docência: duas faces da mesma moeda?. Revista Brasileira de Educação, v 24. 2019.
SARAVIA, L. M. La formación inicial docente. In: SARAVIA, L. M.; FLORES, I. La formación de maestros en América Latina: estudio realizado en diez países. Peru: Ministerio de Educación, DINFOCAD, PROEDUCA-GTZ, 2005.
SARAVIA, L. M.; FLORES, I. La formación de maestros en América Latina: estúdio realizado en diez países. Peru: Ministerio de Educación, DINFOCAD, PROEDUCAGTZ, 2005.
SILVESTRE, Magali aparecida; PLACCO, Vera Maria Nigro de Sousa. Modelos de formação e estágios curriculares, Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, v 5, n.º 5, agos/dez. 2011. Disponível em https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/44/34. Acesso em 27 de dezembro de 2020.
ZEICHNER, K. M. Políticas de formação de professores nos Estados Unidos: como e por que elas afetam vários países no mundo. Tradução de Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

Downloads

Publicado

2020-12-01

Como Citar

Ghedin, E., Costa, M. L. J. da ., & Santos, P. M. dos . (2020). DA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR AO ESTÁGIO: OS DIFERENTES OLHARES SOBRE A PRODUÇÃO CIENTÍFICA NA AMÉRICA LATINA. Práxis Educacional, 16(43), 69-91. https://doi.org/10.22481/rpe.v16i43.6838

Edição

Seção

Dossiê temático