Transgressão e mudança de um currículo inexistente para ensino de línguas adicionais para crianças

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i47.8608

Palavras-chave:

Línguas Adicionais, Crianças, Currículo

Resumo

O presente texto tem como objetivo principal refletir sobre a elaboração de diretrizes para o ensino de línguas adicionais nos primeiros anos do ensino fundamental brasileiro. Atualmente diretrizes nacionais consolidadas para o ensino de outras línguas existem a partir do 6º ano do ensino fundamental. A principal atenção nas reflexões aqui trazidas pontua a necessidade de pensar em currículos, conteúdos programáticos e diretrizes que se baseiam nos princípios da responsabilidade linguísticas e pedagógica. Para tanto, utilizo pressupostos teóricos da obra Pedagogia do Oprimido, de Freire para embasar que a elaboração de qualquer direcionamento em âmbito educacional deve garantir a equidade de oportunidades. Diminuindo assim, as possibilidades de relações opressivas que anulam posicionamentos, visões e ações dentro das escolas. Abordo a associação entre linguagem e pertencimento ao mundo como prescrição à consideração das diversidades e compreensão do que é diferente, atribuindo ao currículo escolar a responsabilidade de discorrer sobre o direito à todos de aprender em situações contextualizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mariana Guedes Seccato, Universidade Estadual de Londrina - Brasil

Pós-doutoranda em Estudos da Linguagem – UEL; Professora de Língua Inglesa no Colégio Celtas de Votuporanga – SP; Membro do Grupo de Pesquisa FELICE: Formação de Professores e ensino de línguas para crianças; Membro do Grupo de Pesquisa GIEL: Grupo Interdisciplinar de Estudos da Linguagem.

Referências

APPLE, Michael W. Ideologia e Currículo. São Paulo: Brasiliense, 2006.

BAKHTIN/VOLOSHINOV. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 10. ed. São Paulo: Hucitec, 1929/2006.

BANKS, J.A; BANKS, C.A.M. Handbook of research on multicultural education, New York: Macmillan, 1995.

BRASIL. Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 27 Abr. 2021.

______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

CAMERON, L. Teaching English to Young learners. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

ELLIS, G. Developing Intercultural Competence with Children in the English Language Class. Thresholds Disponível em: . Acesso em 28 abr. 2021.

FREIRE, Paulo. A Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

HARGREAVES, A. Momentos de milênio: agendas de investigación educativa para la era postmoderna. Revista de Educación, 1997.

LYNCH, J. 2011. “An Observational Study of Print Literacy in Canadian Preschool classrooms.” Early Childhood Education Journal 38, no 5: 329–38.

MOON, J. Children Learning English. Oxford: Macmillan Heinemann, 2000.

MUSHARRAF, M. N. Islamic Education In Europe - A Comprehensive Analysis (1st Ed.). Australia: Australian Islamic Library. Retrieved from https://archive.org/details/EuropeanEducationPaper, 2015.

NAIDITCH, F. Educação bilíngüe e multiculturalismo: O exemplo americano. Educação, 30(1), 2007.

PENNYCOOK, A. The cultural politics of English as an International language. London: Longman, 1994.

______. Critical Applied Linguistics: a critical Introduction. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum, 2001.

PHILLIPS, S. Young Learners. Oxford: Oxford University Press, 2003.

ROCHA, C. H Reflexões e Propostas sobre Língua Estrangeira no Ensino Fundamental I: Plurilinguismo, Multiletramentos e Transculturalidade. Campinas: Pontes Editores, 2012.

VAN EK, J. A; TRIM, J.L.M. (Orgs.). Across the Threshold. Oxford: Pergamon, 1984.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

SECCATO, M. G. Transgressão e mudança de um currículo inexistente para ensino de línguas adicionais para crianças . Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 47, p. 1-18, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i47.8608. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8608. Acesso em: 27 nov. 2021.