A construção da escrita no português brasileiro a partir da perspectiva psicogenética construtivista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v20i51.14871

Palavras-chave:

alfabetização inicial, psicogênese da língua escrita, português brasileiro

Resumo

O artigo apresenta os resultados de um estudo longitudinal orientado pela Dra. Emilia Ferreiro com o objetivo de identificar aspectos específicos do português brasileiro no processo de construção da escrita por crianças brasileiras. Ao longo de 2019 foram realizadas duas entrevistas individuais, com um intervalo de seis meses, com 111 crianças do município de São Francisco do Conde/BA. A investigação assumiu o método clínico-crítico, cuja principal característica consiste na intervenção do pesquisador diante da conduta do sujeito, que é desafiado a resolver ou explicar uma situação-problema. A atividade realizada durante a entrevista consistia em produzir uma lista de nove palavras do mesmo campo semântico. Para análise da evolução psicogenética da escrita foram considerados tanto a produção escrita como comentários e interpretações realizados pela criança durante a entrevista. Neste artigo apresenta-se uma análise descritiva das conceitualizações da escrita, relacionando os dados produzidos nas 222 entrevistas realizadas no Brasil com pesquisas anteriores em língua espanhola. Os resultados indicam que os níveis de construção da escrita, previamente identificados em espanhol, reaparecem nesse estudo: pré-fonetizante, silábico e alfabético como níveis básicos; e silábico inicial e silábico-alfabético, como intermediários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Giovana Cristina Zen, Universidade Federal da Bahia - Brasil

Doutorado em Educação (UFBA) e Pós-Doutorado em Alfabetização (CINVESTAV - México). Professora Adjunta da FACED/UFBA. Membro da diretoria da ANDIPE. Presidente da Rede Latino-americana de Alfabetização.

Contribuição de autoria: definição da concepção do estudo, coleta e análise dos dados e elaboração do manuscrito.

María Claudia Molinari, Universidad Nacional de La Plata - Argentina

Mestrado em Ciências com Especialidade em Investigações Educativas pelo DIE/ CINVESTAV - México. Professora Titular da FaHCE/UNLP, República Argentina. Membro do Conselho Consultivo da Rede Latino-americana de Alfabetização.

Contribuição de autoria: colaboração na concepção do estudo, na análise dos dados e na elaboração do manuscrito.

Arizbeth Soto, Centro de Investigación y de Estudios Avanzados del Instituto Politécnico Nacional - México

Mestrado em Pedagogia pela UNAM. Auxiliar de investigação no DIE/ CINVESTAV - México, colaborando com a linha Psicogênese da Língua Escrita. Coordenadora do Núcleo México e Membro do Conselho Consultivo da Rede Latino-americana de Alfabetização.

Contribuição de autoria: colaboração na análise dos dados e na revisão do manuscrito.

Referências

FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre a Alfabetização. Tradução: Horacio Gonzales et al. 14. ed. São Paulo: Cortez/Editores Associados, 1989.

FERREIRO, Emilia. A escrita... antes das letras. In: SINCLAIR, Hermine (org.) A produção de notações na criança: linguagem, número, ritmos e melodias. Tradução: Maria Lucia F. Moro. São Paulo: Cortez, 1990. p. 19-70

FERREIRO, Emilia. Com todas as letras. Tradução Maria Zilda da Cunha Lopes. São Paulo: Cortez, 1992.

FERREIRO, Emilia. Desenvolvimento da alfabetização: psicogênese. In: GOODMAN, Yetta M. (org.). Como as crianças constroem a leitura e a escrita: perspectivas piagetianas. Tradução Bruno Charles Magne. Porto Alegre: Artmed, 1995. p. 29-32

FERREIRO, Emilia. A desestabilização das escritas silábicas: alternância e desordem com pertinência. In: FERREIRO, Emilia. O ingresso na escrita e na cultura do escrito: seleção de textos de pesquisa. Tradução Rosana Malerba. São Paulo: Cortez, 2013. p. 63-76.

FERREIRO, Emilia; GÓMEZ-PALACIO, Margarita. Análisis de las Perturbaciones en el Proceso de Aprendizaje de la Lecto-Escritura. (Fascículo 2). México: Dirección General de Educación Especial, 1982.

FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.

FERREIRO, Emilia; ZAMUDIO, Celia. La escritura de sílabas CVC y CCV en los inicios de la alfabetización escolar. Es la omisión de consonantes prueba de incapacidad para analizar la secuencia fónica? Revista di Psicolinguística Applicata, v. VIII, n. 1 2, p. 37 53, 2008.

FERREIRO, Emilia; ZEN, Giovana Cristina. Desenvolvimento da escrita em crianças brasileiras. Revista Práxis Educacional, v. 18, n. 49, e10975, 2022. DOI: 10.22481/praxisedu.v18i49.10975. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/10975. Acesso em: 29 jul. 2023.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2022: alfabetização: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2024. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/3108/cd_2022_alfabetizacao.pdf. Acesso em: 10 abr. 2024

KAUFMAN, Ana Maria (org). El desafío de evaluar procesos de lectura y escritura – Prácticas del lenguaje en primer ciclo de la escuela primaria. Buenos Aires: Aique, 2012.

KAUFMAN, Ana Maria; GALLO, Adriana A. Lectura y escritura: 31 preguntas y respuestas. Buenos Aires: El Ateneo, 2023.

MARINHO, Giulianny Russo; ALVARADO, Monica. La utilidad de conocer el nombre de las letras para adquirir el sistema de escritura. Plurais - Revista Multidisciplinar, Salvador, v. 5, n. 3, p. 18–45, 2020. DOI: 10.29378/plurais.2447-9373.2020.v5.n3.10196. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/10196. Acesso em: 22 mar. 2024.

NASCIMENTO, Aline Carvalho; ZEN, Giovana Cristina. A ordem das letras na produção escrita: o que dizem crianças em processo de alfabetização. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 17, n. 49, p. 266–286, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10531224. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/3098. Acesso em: 22 mar. 2024.

OECD. Organization for Economic Co-operation and Development. PISA 2022 Results (Volume I): The State of Learning and Equity in Education. Paris: OECD, 2023a. Disponível em: https://www.oecd.org/publication/pisa-2022-results/#pisa2022results/ Acesso em: 10 abr. 2024

OECD. Organization for Economic Co-operation and Development. Results (Volume II): Learning during – and from - disruption. Paris: OECD, 2023b. Disponível em: https://www.oecd.org/publication/pisa-2022-results/#pisa2022results/ Acesso em: 10 abr 2024

QUINTEROS, Graciela. El uso y función de las letras en el período pre-alfabético. 1997. Dissertação (Mestrado). Departamento de Investigaciones Educativas del Centro de Investigación y de Estudios Avanzados del Instituto Politécnico Nacional, México, 1997.

SILVA, Raidalva. Os desafios impostos pela nasalidade vocálica no processo de apropriação da escrita no português brasileiro. 2024. 91f..Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2024.

VERNON, Sofia. ¿Qué tanto es un pedacito? El análisis que los niños hacen de las partes de la palabra. In: PELLICER, A.; VERNON, S. (org.). Aprender y enseñar la lengua escrita en el aula. México: SM, 2004. p. 14-33

WEISZ, Telma. Por Trás das Letras. São Paulo: FDE. Diretoria de Projetos Especiais, 1992.

ZAMUDIO, Celia. Influencia de la escritura alfabética en la segmentación de sonidos vocálicos y consonánticos. Lectura y Vida: Revista Latinoamericana de Lectura, v. 29, n. 1, 2008, p. 10-21, 2008. Disponível em: http://www.lecturayvida.fahce.unlp.edu.ar/numeros/a29n1/29_01_Zamudio.pdf. Acesso: 10 nov. 2023

ZAMUDIO, Celia. Objetivación del lenguaje y conocimiento metalingüístico: transformaciones que posibilitan la escritura. Lingüística Mexicana. Nueva Época, v. II, n. 2, p. 99-131, 2020. Disponível em: https://linguisticamexicana-amla.colmex.mx/index.php/Linguistica_mexicana/article/view/338 Acesso: 10 nov. 2023

Downloads

Publicado

2024-05-23

Como Citar

ZEN, G. C.; MOLINARI, M. C.; SOTO, A. A construção da escrita no português brasileiro a partir da perspectiva psicogenética construtivista. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 20, n. 51, p. e14871, 2024. DOI: 10.22481/praxisedu.v20i51.14871. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/14871. Acesso em: 16 jul. 2024.